Segunda-feira, 20 de Agosto de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês:- Trilho Interpretativo do Megalitismo de Britelo

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

TRILHO INTERPRETATIVO DO MEGALITISMO DE BRITELO

 

16.abril.2018

(De manhã)

01.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (67)

 

 

Deixo-me levar passivamente pelas rodas do carro,

que percorre a serra em todas as direções.

Dou aos olhos plena liberdade sensorial sem lhes pedir

contas da qualidade das sensações recebidas.

Abandono-me à volúpia dum encontro meramente físico com a realidade.

Fragas, matas, rios e ribeiros, tudo entra em mim como a luz pelas vidraças.

Entra e cabe.

Não há imagens no mundo que saciem a pura transparência.

Nada entendo, e nada quero entender.

E sinto paz.

A paz de ser uma simples coisa permeável entre coisas permeáveis.

Paz que o homem primitivo certamente já experimentou,

e que talvez seja o que resta ao homem de sempre.

Atingir na identificação inconsciente com a natureza

a única consciência profunda que dela e de si pode ter.

 

Gerês, 10 de Agosto de 1964

Diário X, Miguel Torga

 

 

Nada mais impressivo do que a entrada, acima citada, de Miguel Torga, no seu Diário, para definir o nosso estado de alma, quando percorríamos este trilho. Particularmente aquela tirada, quando afirma: “Fragas, matas, rios e ribeiros, tudo entra em mim como a luz pelas vidraças”. E a finalizar: “E sinto paz. A paz de ser uma simples coisa permeável entre coisas permeáveis. Paz que o homem primitivo certamente já experimentou, e que talvez seja o que resta ao homem de sempre. Atingir na identificação inconsciente com a natureza a única consciência profunda que dela e de si pode ter”. 

 

Deixámos a serra do Gerês e penetrámos na serra Amarela.

 

Mas, o trilho, de interpretativo, no seu percurso, tem muito pouco, ou quase nada: apenas a simples sinalização.

 

O nome do trilho prometia um voltar à idade primeva, quase próxima dos homens das cavernas. Mas, nada disso aconteceu! Sim, muita pedra.

 

De verdadeiro megalitismo, em boa verdade, apenas uma anta!

 

E a serra já quase nada tem da sua vegetação primitiva!

 

O eucalipto

02a.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (188)

e o pinheiro

03.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (57)

ergueram aqui o seu «lar». Com mato à mistura…

 

O trabalho de limpeza do monte, perante arbustivas tão maduras, era bem patente, particularmente nas imediações da Anta da Lapa da Moura

04.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (55)

e no Chão de Cabanos.

 

A campanha de limpeza por causa dos incêndios também aqui chegou. Mas ficou-se pelo lugar mais emblemático do percurso – o Chão de Cabanos.

05.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (54)

As árvores autóctones aqui são raridades, digam o que disserem… Só no alto, aqui

06.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (141)

e ali, particularmente nas proximidades de Mosteirô, é que verdadeiramente as encontrámos Mas poucas e isoladas!

07.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (187)

Abstraímo-nos das expectativas que o trilho nos criou e, enquanto o percorríamos, fomos congeminando como este território antigamente seria e qual a vida das suas mulheres e homens, que nele habitavam, na sua luta pela sobrevivência. E apenas nos restaram, uma vez concluído o trilho, duas palavras – paz e tranquilidade.

 

Bem razão tinha Torga, já em 1964!

 

Vamos agora dar uma ideia dos passos que demos neste, que dizem, território mítico dos nossos antepassados.

 

Mostremos primeiramente o mapa do nosso itinerário, retirado do folheto oficial, referente ao Trilho Interpretativo do Megalitismo de Britelo.

MAQUETE_MEGALITISMO.cdr

Mas o nosso trilho não começa, nem acaba, ou sequer passa em Britelo. Britelo é a sede de freguesia, da qual Mosteirô, local donde partimos, faz parte.

 

Terras interiores, e encravadas nas serras, sofrem do mesmo mal – a desertificação.

 

E Mosteirô não escapa a esta sina!

 

Aparcámos no largo da aldeia, onde se encontra o tanque e lavadouro público.

09.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (2)

Apenas nos cruzámos e metemos conversa com um senhor velhote, que, encostado a uma das paredes que suportam o tanque, tranquilamente fumava o seu cigarro.

 

Saímos pela rua do Portal

10.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (3)

e, deixando os subúrbios da aldeia, com os seus campo agrícolas,

11.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (5)

percorrendo uma calçada antiga,

12.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (7)

progressivamente, afastando-nos, cada vez mais da aldeia, e passando por um apiário e ao pé de um eucaliptal,

13.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (16)

começámos a embrenharmo-nos no planalto da serra Amarela,

14.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (22)

indo ao encontro da ribeira da Abelheira.

15.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (29)

Trepando,

16.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (31)

alcançámos o cume do planalto.

17.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (45)

Florens sobe até ao fraguedo para melhor apreciar a paisagem circundante.

18.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (47)

No Vale da Coelheira pastava o gado.

19.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (48)

Contristados saímos deste lugar, depois de assistirmos ao resvalo de uma vaca para uma cova, donde não conseguia sair. Tivemos receio em na ajudar e torcemos para que o pobre animal saísse daquele «flagelo» ilesa, onde se deixou cair.

 

Não era esta,

20.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (51)

que nos pareceu mais expedita. Era outra. Esta, aparentando ser humana, olhava, para o cenário que tinha em frente, contristada.

 

E chegámos ao Chão de Cabanos, onde cavalos se entretinham, pacatamente, a pastar numa restolha de mato cegado e já seco, por nos parecer que, há poucos dias, por via do(s) (medo) incêndios, e não só, ter sido cortado.

21.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (64)

E, neste chão, eis a Anta da Lapa da Moura.

22.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (65)

Não nos perguntem qual a razão de tal designação para este monumento!... Não a encontrámos. Mas que há uma explicação, isso há! O povo tem explicação para tudo!

 

Imediatamente à nossa esquerda, num grande penedo, cravado no solo, aparecem-nos as gravuras rupestres.

23.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (74)

Se, quanto à Anta da Lapa da Moura, não havia qualquer painel informativo para nos elucidar sobre a origem do nome e antiguidade do núcleo megalítico deste necrópole de Britelo – apenas o folheto acima referido –, o qual nos elucida que “será dos maiores monumentos funerários megalíticos da serra Amarela” , quanto às gravuras, no mesmo Chão de Cabanos, a informação é ainda mais escassa. Apenas, uma vez mais, o mesmo folheto nos diz que, neste afloramento granítico, estão umas gravuras, onde prevalecem as fossetes

25.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (83)

e os motivos cruciformes,

24.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (81)

revelando, frisa o mesmo folheto, uma longa ocupação desde a pré-história às épocas, possivelmente, medievais.

 

E, neste chão, indiferentes a tanta e tão longa história, pastoreavam, pacatamente, as nossas vaquinhas, em solo pobre que, ainda por cima, o homem o privou de um alimento mais suculento.

26.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (84)

Deixámos este chão «histórico» e, subindo, por um estradão florestal, embrenhámo-nos ainda mais na serra.

27.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (85)

No cimo deste lugar da serra Amarela, deitámos um olhar para uma das suas irmãs, que nos está em frente – a do Gerês.

28.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (87)

Até que, neste abrigo, que tem pouco menos que a nossa idade,

29.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (89)

parámos para descansar um pouco, hidratar-nos e tomarmos o nosso habitual reforço do pequeno-almoço.

30.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (91)

Saídos do abrigo, retomámos o nosso percurso.

 

A certa altura, chamou-nos a atenção uma formação rochosa, encimada por um pequeno penedo, que mais parece a cabeça de uma velha, com um nariz fortemente adunco.

31.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (97)

Estamos agora em pleno planalto da serra,

32.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (122)

com mato e um ou outro afloramento de árvores autóctones, principalmente de carvalho alvarinho,

33.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (99)

onde as linhas de água não faltam

34.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (111)

e, por entre o mato, salienta-se o omnipresente pinheiro, mesmo que solitário.

35.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (112)

O sol, por entre as nuvens, já quase a pino, começava a aquecer o ambiente. E nós começávamos a suar mais…

36.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (120)

E mais uma passagem por uma zona designada Chã da Escusalha, onde se encontram muitas pedras, aos montões, e que, porventura, outrora serviram para o culto mortuário, mas que hoje foram aproveitadas para abrigo dos pastores.

37.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (128)

Provavelmente, estes montões de pedras,

38.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (132)

e mais estes,

39.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (146)

teriam também sido utilizados para a construção de antas. Vá-se lá agora saber…

 

Daqui, do extremo da Chã da Escusalha, tomámos um caminho de pé posto

40.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (150)

e dirigimo-nos para a ribeira da Abelheira, num local mais a montante da mesma.

41.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (163)

Florens, sempre atento aos pequenos pormenores, faz uma pequena pausa para tirar umas quantas fotos.

42.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (167)

Atravessada a ribeira,

43.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (174)

começámos a descer para Mosteirô.

 

Enquanto iniciávamos a descida, ao fundo, o rio Lima.

44.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (181)

Estávamos nas proximidades já de Mosteirô. E é por estas paragens que avistámos, agora em mais quantidade, quer o carvalho alvarinho, quer o castanheiro, quer uma ou outro freixo, à mistura com o eucalipto e o pinheiro bravo.

45.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (184)

Um enorme penedo chamou-nos a atenção. Ele era muito parecido com aquela primeira silha que, no Trilho das Silhas dos Ursos, na serra do Gerês, vimos. Com certeza, o seu patamar cimeiro serviu para mais um abrigo e proteção das colmeias de abelhas, por causa dos ursos.

46.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (195)

Aproximávamo-nos cada vez mais das imediações de Mosteirô.

47.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (206)

Atravessada a Lameirada, fomos ao encontro do tanque ou poça de retenção de água para a rega das hortas de Mosteirô e de moinhos, que dizem que havia, mas que agora só existem ruínas, mas cujos destroços nem sequer chamou a nossa atenção!

48.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (210)

Percorremos esta ancestral vereda

49.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (215)

até ao cimo da aldeia,

50.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (217)

acompanhando o pequeno regueiro de água.

51.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (228)

Chegámos a Mosteirô pela sua parte alta. E íamos tirando uma ou outra fotografia ao seu casario antigo.

52.- 2018.- Trilho Interp. do Megalitismo de Britelo (230)

Atravessada a aldeia, chegávamos ao local donde, duas horas e vinte e cinco minutos antes, tínhamos partido, percorrendo a distância de sete quilómetros e cento e cinquenta metros,

53.- IMG-20180416-WA0001

à velocidade e com a elevação que o gráfico abaixo mostra.

54.- IMG-20180416-WA0002

Enquanto atravessávamos a aldeia, nem vivalma vimos!

 

O senhor que estava no tanque, aquando da nossa partida, tinha-se recolhido.

 

Na verdade, o calor começava a apertar…

 

E nós, entrando na viatura, fomos saber do almoço.

 

De tarde, tínhamos o último trilho a percorrer nesta temporada primaveril no Parque Nacional da Peneda-Gerês – o de Germil.

 

Deste trilho feito, que, em certo sentido, face ao nome que carrega, nos desiludiu um pouco, ficou-nos de mais real e palpável aquilo que já no início deste post dizíamos -  a paz e a tranquilidade sentidas, enquanto o percorríamos, pensando em como seria por aqui a vida dos nossos antepassados…


publicado por andanhos às 10:43
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito (2)
Sexta-feira, 13 de Julho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês - Trilho dos Moinhos de Parada

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

 

01.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (4)

 

TRILHO DOS MOINHOS DE PARADA

 

14.abril.2018

 

 

 

 

Gosto de rever certas paisagens,

ainda mais do que reler certos livros.

São belas como eles, e nunca envelhecem.

O tempo não degrada a linguagem que as exprime.

Pelo contrário, enriquece-a, até, num esforço de perfeição constante que,

embora involuntário, parece intencional.

Faz alargar a copa a um carvalho,

e reforça determinado volume;

outoniça precocemente algumas folhas,

e esbate um pouco a cor afogueada de uma encosta;

entoira um ribeiro, e gera um lago onde se espelha o perfil dos montes.

E eu olho, olho e não me canso de admirar uma placidez

assim permanentemente movimentada.

Pobre artista que sou, sei que é esse renovo ininterrupto

que falta às obras puramente humanas.

Mesmo as geniais, são apenas momentos vibráteis

Na quietude da eternidade,

Ilhas vulcânicas no mar morto do tempo.

Agitam-se, mas dentro do seu anquilosamento histórico.

 

 

Gerês, 03 de Agosto de 1959

Diário VIII, Miguel Torga

 

 

Hoje abandonámos a Porta do Campo de Gerês, no concelho de Terras do Bouro, e dirigimo-nos para a do Lindoso, no concelho de Ponte da Barca.

 

Abandonámos a Porta do Campo de Gerês e a serra do Gerês, trocando-a pela serra Amarela.

 

Antes de nos dirigirmos às instalações da Porta, situadas mesmo em frente à Igreja Matriz de Lindoso, fomos, uma vez mais, dar uma volta pelo magnífico conjunto de espigueiros e pelo seu histórico Castelo.

 

Não deixamos aqui qualquer imagem pois, quer na nossa página do Facebook, quer nos nossos blogues, já, noutras ocasiões, fizemos reportagem sobre Lindoso, com o seu conjunto de espigueiros e Castelo. Florens quis conhecer, mais a fundo, este conjunto de Lindoso; por isso, demorámo-nos nesta localidade um pouco mais e só efetuámos o Trilho dos Moinhos de Parada da parte de tarde.

 

Consultando o mapa com o ponto da situação, no que respeita aos percursos com sinalização convencional nos terrenos existentes no território do PNPG, da responsabilidade do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), informação de setembro de 2017, damo-nos conta que o percurso nº 19 – Trilho dos Moinhos de Parada, cujo folheto ou brochura é da responsabilidade da ADERE, é desaconselhável fazê-lo.

 

Aliás, esta mesma informação é-nos também dada pelo blogue «CARRIS». 

 

Dirigindo-nos às instalações da Porta do Lindoso, fomos recebidos por um seu funcionário, biólogo, que, muito simpaticamente, nos forneceu informação sobre todos os trilhos transitáveis desta Porta, e transitáveis com segurança.

 

Quanto ao Trilho dos Moinhos de Parada, informou-nos que está a ser objeto de reestruturação, ou seja, e pelo que nos apercebemos, pretende-se juntar o Trilho dos Moinhos de Parada com o Trilho do Penedo do Encanto.

 

Perante o nosso interesse em efetuar o Trilho dos Moinhos de Parada, o nosso biólogo aconselhou-nos a que tivéssemos cuidado e atenção na sinalização provisória, a vermelho.

02.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (1)

E foi o que tentámos fazer, embora não tenhamos ido até ao cimo do Penedo do Encanto, uma vez que, noutra ocasião, já o tínhamos feito.

 

Grosso modo, o nosso itinerário cobriu mais de metade do Trilho dos Moinhos de Parada e parte, embora pequena, do Trilho do Penedo do Encanto, em especial a aldeia de Parada, conforme mapa que a seguir se mostra, com traçado a amarelo.

03.- Mapa do trilho dos Moinhos de Parada

De acordo com a brochura da ADERE, saindo da estrada, no local onde exibimos a penúltima imagem, começámos a descer

04.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (2)

até ao ribeiro de Mulas.

05.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (3)

Foi este o nome que os senhores Adérito e Manuel Ribeiro nos deram, quando nos cruzámos com eles, mais ao fundo do percurso, nas proximidades da represa.

06.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (5)

Imediatamente a seguir a esta corrente de água do ribeiro Mulas, aparece-nos um moinho.

07.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (1)

Saindo do leito do ribeiro, subindo um pouco, entrámos na aldeia de Parada.

08.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (8)

Percorremos as suas antigas ruas,

09.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (9)

quase sempre cobertas de vinha em latada.

10.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (7)

(Cenário I)

11.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (12)

(Cenário II)

12.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (13)

(Cenário III)

O seu bonito casario é praticamente todo em granito.

13.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (10)

E não nos podemos esquecer que Parada já foi sede do concelho de Lindoso. A testemunha-lo, temos o edifício dos Paços do Concelho, o Tribunal,

14.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (11)

e a antiga Prisão.

15

Terra minhota que se preze, por estas bandas, não dispensa a sua eira, com os seus espigueiros,

16.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (15)

como esta - a Eira das Leijas.

17.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (14)

E, quanto a água, aqui também não falta, como este depósito/represa, para regar as hortinhas ao pé das casas.

18.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (16)

Saímos de Parada pelo Chão da Cabeça e, descendo por um bosque, constituído essencialmente por eucaliptos,

19.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (17)

observámos restos «arqueológicos» - carris utilizados para a construção de um túnel, mais abaixo - deixados aquando da construção da barragem do Lindoso, que nos fica a montante.

20.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (18)

Depois, veio a parte mais interessante e bonita deste trilho, com uma componente ambiental e paisagística, sobranceira à encosta da serra Amarela, virada para o vale do rio Lima.

 

Deixemos aqui aos nossos leitores partes do troços e cenários que nos conduziram até ao fundo do nosso trilho – a represa do ribeiro Mulas.

21.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (19)

(Troço e cenário I)

22.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (20)

(Troço e cenário II)

23.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (21)

(Troço e cenário III)

24.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (22)

(Troço e cenário IV)

25.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (23)

(Troço e cenário V)

A certa altura, os meandros do rio Lima, depois de sair da represa da albufeira do Lindoso.

26.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (24)

Uns metros mais à frente, vemos a estrada, que vai à Central da barragem de Lindoso, e a boca do túnel.

27.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (28)

Florens espera por nós. E contempla o apertado vale do rio Lima, atento a uma das suas prolongadas cascatas,

28.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (27)

tendo como pano de fundo a serra Amarela.

29.-2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (26)

E continuámos caminho, observando, do outro lado da margem, as aldeias de Campo Grande e Cunhas.

30.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (29)

O caminho de terra deu lugar a um carreteiro, por onde passavam os carros puxados por juntas de bois,

31.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (30)

que nos leva a descer até ao açude do ribeiro de Mulas.

32.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (31)

Na descida, o açude, a ponte do ribeiro de Mulas e a cancela, que dá continuidade ao nosso percurso.

33.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (32)

Até que chegámos à margem do ribeiro,

34.-2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (33)

lugar fresco e aprazível, de águas límpidas.

35.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (34)

Aqui fizemos uma pequena pausa, fazendo o reconhecimento do terreno e da sua flora.

36.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (35)

O lugar exigia contemplação. E que captássemos a correnteza das suas  águas.

37.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (36)

(Cenário I)

38.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (37)

(Cenário II)

39.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (38)

(Cenário III)

O sol, ao alto, aquecia, cada vez mais, o ambiente. E tínhamos uma razoável subida pela frente até chegarmos a Parada.

 

Despedimo-nos das águas do ribeiro

40.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (39)

e da sua presa.

41.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (41)

Abrimos a cancela,

42.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (40)

e, pelo estradão acima, despedindo-nos dos apertados meandros do rio Lima.

43.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (42)

Sensivelmente a meio da nossa subida, encontrámos os nossos já referidos senhores Adérito e Manuel Ribeiro. E, a eles, uma pergunta sacramental se impunha que lhes fizéssemos:

- Então, afinal, onde estão os moinhos de Parada?

 

A resposta veio pronta:

- Existem cerca de trinta, a montante do açude, ao longo da margem direita do ribeiro. Estão em completa ruína. Para se lá chegar, é difícil. Seria necessário proceder à limpeza da sua respetiva margem.

 

E é pena!

 

Para um trilho designado de moinhos, encontrar, até agora, apenas um, não é praticamente nada, fazendo muito pouco jus ao nome do trilho…

 

Os amigos Adérito e Manuel lá foram às suas vidas, ver  e/ou cuidar das suas leiras. E nós continuámos caminho. Até que chegámos à estrada, nas proximidades de Parada, onde tínhamos estacionado a nossa viatura.

 

Faltava-nos ver o segundo moinho bem como o designado Poço da Gola.

 

Pegámos na viatura e, num largo, mesmo perto desta fonte,

44.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (63)

iniciámos um percurso – que não chegou a 1 Km -, indo ao encontro, uma vez mais, do ribeiro de Mulas,

45.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (43)

onde Florens se ocupou a tirar fotos a estas pequenas quedas de água.

46.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (44)

Seguindo a vereda, fomos ao encontro do 2º moinho do nosso percurso.

47.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (45)

Abrimos a porta para ver o que tinha lá dentro: velhos utensílios. Mas já sem uso!

48.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (58)

Junto ao moinho, passámos por esta ponte de madeira para a outra margem

49.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (47)

e, subindo um pouco, pusemo-nos em contacto com este lugar tão aprazível, deixando aqui alguns cenários, quer da correnteza das águas, quer do dito Poço da Gola e sua cascata.

50.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (46)

(Cenário I)

51.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (48)

(Cenário II)

52.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (49)

(Cenário III)

53.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (50)

(Cenário IV)

54.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (54)

(Cenário V)

55.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (51)

(Cenário VI)

56.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (52)

(Cenário VII)

57.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (53)

(Cenário VIII)

Sentámo-nos nesta fraga-lajedo a descansar e contemplar todo este bonito entorno. Florens, com a sua máquina fotográfica, captava pormenores.

58.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (55)

Saímos deste tão bonito lugar pela mesma ponte por onde tínhamos entrado,

59.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (56)

despedindo-nos do velho moinho

60.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (57)

e do ribeiro de Mulas, com as suas linhas de água, brotando para o seu leito,

61.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (59)

observando a ponte medieval (?).

62.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (64)

Florens, por cima do seu tabuleiro, continua a tirar fotos ao lugar, à ponte e ao ribeiro.

 

Eram já horas de regressar. Metemo-nos na viatura e, numa hora e pico, chegámos à Vila do Gerês, onde continuávamos alojados.

 

Apesar de não vermos muitos moinhos, foi um passeio de 6. 650 Km (valor acumulado), feitos em cerca de duas horas (fora os tempos de paragem, claro!),

64.- Trilho dos Moinhos de Parada - Dados técnicos 01

com a elevação e velocidade que o gráfico abaixo mostra.

65.- Trilho dos Moinhos de Parada - Dados técnicos 02


publicado por andanhos às 19:54
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Julho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês:- Trilho dos Currais

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

01.- 2018.- Trilho dos Currais (97)

 

TRILHO DOS CURRAIS

(Percurso de âmbito cultural e paisagístico)

 

13.abril.2018

 

 

 

Sou, na verdade, um geógrafo insaciável,

Necessitado diariamente de alguns quilómetros de nutrição.

Devoro planícies como se engolisse bolachas de água e sal,

e atiro-me às serranias como à broa da infância.

É fisiológico, isto.

Comer terra é uma prática velha do homem.

Antes que ela o mastigue, vai mastigando ele.

O mal, no meu caso particular, é que exagero.

Empanturro-me de horizontes e de montanhas,

e quase que me sinto depois uma província suplementar de Portugal.

Uma província ainda mais pobre do que as outras,

que apenas produz uns magros e tristes versos...

 

Gerês, 17 de Agosto de 1958

Diário VIII, Miguel Torga

 

 

Na preparação deste Trilho dos Currais, os sítios da internet e os blogues consultados, invariavelmente, na descrição do percurso, apoiam-se todos no prospeto – PR 3-Trilho dos Currais (Património Histórico e Cultural), do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF)  e o PR 3 – Trilho dos Currais (Património Histórico e Paisagístico), do município de Terras do Bouro/Adere Peneda-Gerês.

 

Quanto à fauna.

 

Diz este último panfleto ou brochura: “Ao calcorrear este trilho de admiráveis paisagens naturais, observam-se os animais em pastoreio; as cabras (Capra), as vacas (Bos taurus) e os cavalos (Equus caballus), as aves de rapina e outros animais. Selvagens.

As aves são de fácil observação e destacam-se na paisagem natural. Desta espécie podem ser observadas a águia-de asa-redonda (Buteo buteo), o falcão peregrino (Falco peregrinus), o penereiro (Falco tinnunculus) e a gralha-de-bico vermelho (Pyrrochorax pyrrochorax).

Destaca-se, ainda, o corço (Capreolus capreolus), o lobo (Canis lupus), o javali (Sus scrofa), o esquilo (Sciurus vulgaris). Devido aos seus hábitos mais esquivos, torna-se difícil a sua observação, contudo deve dar-se atenção aos seus indícios – as pinhas roidas, os dejetos, as tocas, as pegadas, os vestígios de alimentação – que traduzem a sua presença”.

 

Acreditamos sinceramente que esta fauna possa ser oncontrada neste trilho. Nós, por pouca sorte, ou talvez falta de hábitos de observação, nem sequer indícios vimos!

 

Porventura, ao chegarmos a Pedra Bela, nos arredores da Casa Florestal e Posto de Vigia, por entre aquelas pequenas pinhas,

02.-2018.- Trilho dos Currais (73)

algum esquilo fugitivo tenha passado por nós sem, contudo, nos tenhamos apercebido.

 

De quem nos apercebemos, isso sim, foi, depois de treparmos aquela «dolorosa» subida do primeiro terço do percurso, e quando chegámos ao estradão florestal, foi destas duas simpáticas jovens norte-americanas.

03.- 2018.- Trilho dos Currais (188)

Trocámos apenas meia dúzia de palavras. As chacopas, de pronto, continuaram, continuando o estradão por onde vinham, o seu percurso, com que levadas pelo vento!

 

Portanto, de presença, e fugitivas, apenas estas duas meninas norte-americanas. Mais nemhuma vivalma vimos até que chegámos a Pedra Bela!

 

É possível que os animais indicados no panfleto andem por aqui... às horas do dia em que efetuámos o trilho, precaveram-se de aparecer... vá lá o diabo tecê-las!...

 

No ar, vimos uma ou outra ave, voando rapidamente. Mas não deeu para as identificarmos. E infelizmente também não ouvimos o trinar ou as lindas sinfonias dos passariformes. O tempo para eles não estava convidativo, preferindo arranjar os ninhos ou, talvez, nos ninhos, cuidando das suas crias.

 

Agora quanto à flora.

 

Diz o mesmo documento que vimos citando que “é rico em valores florísticos, quer a nível arbóreo, quer arbustivo. Na área envolvente do trilho estão representadas as espécies de resinosas: pinheiro silvestre (Pinus Sylvestris), pinheiro bravo (Pinus pinaster) e pinheiro negral (Pinus nigra). Das folhosas destancam-se os carvalhos (Quercus robur) e (Quercus pyrenaica), o azevinho (Ilex aquifolium), o medronheiro (Arbustus unedo), a pereira brava (Pytrus pyraster), o padreiro (Acer pseudoplatanus) e o cornogodinho ou tramazeira (Sorbus aucuparia).

A sua composição florística diversifica-se conforme a altitude e os microclimas. À medida que se sobe em altitude as espécies de mato tornam-se dominantes. Observam-se os tojais (Ulex minor) e (Ulex europaeus), a torga (Calluna vulgaris), carqueja (Chamaespartium tridentatum) e as urzes (Erica arborea) e (Erica cinerea), encontrando-se em zonas de maiores altitudes o zimbro (Juniperus)”.

 

Quanto à flora, apesar da maior expansão das espécies resinosas, o trilho é, como mais adiante mostraremos, rico em apresentação de outras espécies arbóreas e arbustivas.

 

Falemos agora do trilho propriamente dito. Tomemos as palavras, quer do prospeto da ADERE Peneda-Gerês, quer do ICNF. Ambos, ipsis verbis, dizem:

O Trilho dos Currais, inserido na temática «tradições comunitárias», percorre uma área de singular beleza natural da Serra do Gerês.

Percorre-se ao longo de três currais do Baldio de Vilar da Veiga: o Curral da Espinheira, o Curral da Carvalha das Éguas e o Curral da lombaq do Vidoeiro, constituindo um percurso de pequena rotaq (PR) cuja distância a percorrer é de 10 Km, sendo o grau de dificuldade médio a elevado.

Inserido no âmbito Cultural e Paisagístico, o Trilho dos Currais proporciona um contacto direto com o espírito e tradições comunitárias locais, a partir da organização silvopastoril na forma de vezeira.

Esta prática comunitária, peculiar da Serra do Gerês, decorre de Maio a Setembro, sendo o gado bovino da comunidade emcaminhado pelos caminhos carreteiros até à serra alta, onde se situam os currais.

Os vezeiros – proprietários do gado – acompanham durante dias ou semanas o gado, consoante o número de cabeças que possuem, transportando os utensílios para a alimentação e estadia nas cabanas dos currais.

A manutenção destas estruturas comunitárias é assegurada anualmente. Todos os anos, previamente à subida do gado para a serra, no dia dos cubais, os proprietários limpam os caminhos carreteiros, arranjam as cabanas e as fontes”.

 

Este ano a primavera veio mais tardia e o verão, por isso, vai fazer-se mais tarde.

 

O nosso percurso por este trilho fez-se em meados de abril. Por isso, nem o gado nos currais e os seus vezeiros, nem tão pouco o arranjo dos caminhos carreteiros, vimos: apenas as infraestruturas permanentes dos currais!

 

Descrevamos, agora sumariamente, o nosso percurso no Trilho dos Currais.

 

1.- Primeiro terço do percurso – a beleza do bosque e o enorme esforço da subida

 

O trilho inicia-se junto da estrada nacional não muito longe do Centro de Interpretação Ambiental do Vidoeiro.

04a.- 2018.- Trilho dos Currais Samsung) (1)

Após passar ao lado do parque de merendas do Vidoeiro

05.- 2018.- Trilho dos Currais (3)

e de algumas casas,

06.- 2018.- Trilho dos Currais (10)

 inicia-se a subida.

07.- 2018.- Trilho dos Currais (19)

(Troço I)

08.- 2018.- Trilho dos Currais (27)

(Troço II)

09.- 2018.- Trilho dos Currais (46)

(Troço III)

10.- 2018.- Trilho dos Currais (52)

(Troço IV)

11.- 2018.- Trilho dos Currais (61)

(Troço V)

Ficou na nossa retina os seguintes cenários.

12.- 2018.- Trilho dos Currais (50)

(Cenário I)

13.- 2018.- Trilho dos Currais (55)

(Cenário II)

14.- 2018.- Trilho dos Currais (62)

(Cenário III)

A certa altura, uma pequena pausa. Era necessário hidratar-nos: o esforço da subida e o calor, que começava a surgir, assim o exigiam.

15.- 2018.- Trilho dos Currais (76)

Até que chegámos ao estradão florestal, percorridos sensivelmente cerca de 4 Km, onde encontrámos as duas norte-americanas já referidas.

16.- 2018.- Trilho dos Currais (81)

Mas o percurso continuava a subir

 

2.- Os três currais

2.1.- Curral da Espinheira

 

até que chegámos ao Curral da Espinheira, no vale de Teixeira.

17.- 2018.- Trilho dos Currais (89)

Aqui, água não faltava.

18.- 2018.- Trilho dos Currais (90)

Percorremo-lo todo para o conhecermos,

19.- 2018.- Trilho dos Currais (94)

indo até ao singelo e apertado abrigo, encimado por uma mariola, e todo construído com a pedra local – o granito.

20.- 2018.- Trilho dos Currais (96)

Não podíamos abandonar o local sem uma fotografia da praxe, junto a este abrigo do Curral da Espinheira.

21.- 2018.- Trilho dos Currais (96a) (Samsung)

Depois, já com um percurso mais confortável para andar, sem aquela desconfortável subida para gente da nossa idade, entrando no vale do Ribeiro da Lomba do Vidoeiro, rapidamente chegámos ao segundo curral.

 

2.2.- Curral da Carvalha das Éguas

 

Este curral tem um enorme lameiro, todo cercado.

22.- 2018.- Trilho dos Currais (111)

Deixamos aqui duas perspetivas do abrigo – contrução recente –

23.- 2018.- Trilho dos Currais (102)

enquanto, continuando caminho, ultrapassavamos o cercado,

24.- 2018.- Trilho dos Currais (107)

e, penetrando no nosso trilho, fomos em direção ao Varejeiro.

25.- 2018.- Trilho dos Currais (116)

Aqui ficam, à visualização dos nossos leitores, partes dos troços e respetivos cenários,

26.- 2018.- Trilho dos Currais (119)

 (Troço e cenário I)

27.- 2018.- Trilho dos Currais (123)

(Troço e cenário II)

28.- 2018.- Trilho dos Currais (124)

(Troço e cenário III)

29.- 2018.- Trilho dos Currais (128)

(Troço e cenário IV)

30.- 2018.- Trilho dos Currais (130)

(Troço e Cenário V)

31.- 2018.- Trilho dos Currais (131)

(Troço e cenário VI)

32.- 2018.- Trilho dos Currais (133)

(Troço e cenário VII)

33.- 2018.- Trilho dos Currais (144)

(Troço e cenário VIII)

34.- 2018.- Trilho dos Currais (146)

(Troço e cenário IX)

até ao

 

2.3.- Curral da Lomda do Vidoeiro.

 

É um lugar bastante húmido.

35.- 2018.- Trilho dos Currais (156)

(Perspetiva I)

36.-2018.- Trilho dos Currais (154)

(Perspetiva II)

37.- 2018.- Trilho dos Currais (158)

(Perspetiva III)

38.- 2018.- Trilho dos Currais (159)

(Perspetiva IV)

39.- 2018.- Trilho dos Currais (160)

(Perspetiva V)

40.- 2018.- Trilho dos Currais (161)

(Perspetiva VI)

Mas, aqui não vislumbrámos qualquer estrutura de abrigo ou alojamento.

 

Continuámos caminho.

41.- 2018.- Trilho dos Currais (162)

Em poucos metros, depois de ultrapassada esta mariola,

42.- 2018.- Trilho dos Currais (167)

e percorridos os últimos metros deste estradão,

43.- 2018.- Trilho dos Currais (165)

Entrávamos no cruzamento do caminho florestal que, a partir daqui, ia para a Ermida do Gerês e à cascata do Arado, num sentido, e, noutro, à Pedra Bela.

 

Nosso percurso era seguir até à Pedra Bela. Mas, antes, tínhamos de fazer uma pequena paragem. O lugar justificava.

 

3.- A Casa da Floresta e o Miradouro da Pedra Bela

 

Tratava-se de dar uma vista de olhos a esta Casa da Floresta e Posto de Vigia,

44.- 2018.- Trilho dos Currais (177)

(Perspetiva frontal)

45.- 2018.- Trilho dos Currais (183)

(Perspetiva posterior)

seus anexos,

46.- 2018.- Trilho dos Currais (186)

(Anexo I)

47.- 2018.- Trilho dos Currais (190)

(Anexo II)

Seu tanque e escadas para um posto de observação e miradouro.

48.- 2018.- Trilho dos Currais (180)

À saida do lugar, ainda demos uma vista de olhos aos arredores. Este enorme tanque e sistema de rega indiciava outrora, aqui, a existência de viveiros de alguma importância.

49.-2018.- Trilho dos Currais (168)

Decorridas duas ou três cdentenas de metros, estávamos na Pedra Bela.

50.- 2018.- Trilho dos Currais (193)

A primeira coisa que nos chamou a atenção foi este poema de Miguel Torga, cinzelado em chapa de ferro, por detrás de uma fraga granítica. Seu nomé é Pátria.

51.- Trilho dos Currais

Nada mais apropriado o poema para o lugar!

 

Subimos ao Miradouro de Pedra Bela, um dos mais bonitos do país.

 

A nossos pés, a linda barragem da Caniçada

52.- 2018.- Trilho dos Currais (200)

e parte da sua panorâmica envolvente.

53.- 2018.- Trilho dos Currais (196)

Descemos do Miradouro, ainda com a Caniçada na retina.

54.- 2018.- Trilho dos Currais (214)

 

 

4.- O regresso à Vila do Gerês

 

Agora tínhamos pela frente uma descida vertiginosa até às proximidades da Vila de Gerês,

55.- 2018.- Trilho dos Currais (217)

até que chegámos ao asfalto, nas proximidades da Fonte do Curral do Gaio.

56.- 2018.- Trilho dos Currais (219)

A omnipresença do verde e... do carvalho!

57.- 2018.- Trilho dos Currais (221)

Asfalto, água escorrendo pelo monte, pedra e, encoberto por um muro, coberto de musgo, o parque público da Vila do Gerês, decrépito, mas com tantas memórias de vidas passadas para contar...

58.- 2018.- Trilho dos Currais (223)

Descemos até ao vale cavado pela Falha do Gerês-Lobios, com cenários fantásticos,

59.- 2018.- Trilho dos Currais (225)

(Cenário I)

60.- 2018.- Trilho dos Currais (233)

(Cenário II)

61.- 2018.- Trilho dos Currais (234)

(Cenário III)

que não resistimos a captar.

62.- 2018.- Trilho dos Currais (231)

Até que chegámos

63.- 2018.- Trilho dos Currais (236)

ao fim do nosso percurso do Trilho dos Currais.

64.- 2018.- Trilho dos Currais (237)

Agora era apenas uma pequena subida, passando por esta antiga Casa Florestal

65.- 2018.- Trilho dos Currais (240)

para chegarmos ao lugar onde tím«nhamos estacionado a nossa viatura.

 

E descansar dos 11, 810 Km, feitos em 3 horas e 54 minutos,

66.- Sem título-1

à velocidade e com a elevação de o gráfico abaixo mostra.

67.- Sem título-2

Na despedida, deixamos aos nossos leitores esta mariola.

68.- 2018.- Trilho dos Currais (152)


publicado por andanhos às 16:48
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Julho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês:- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês

 

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

01.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (238)

 

TRILHO DO SOBREIRAL DA ERMIDA DO GERÊS

 

12.abril.2018

 

 

 

 

Quatro horas de serra.

De vez em quando gosto de por à prova

a fibra herdada dos maternos avós almocreves,

para que lá na eternidade não se sintam atraiçoados

Junto dos paternos cavadores,

que rememoro como posso diariamente.

Meti a direito pelos fraguedos,

e foi até o corpo dizer basta.

Gargantas temerosas que engolem o tempo e o silêncio, e que o vento –

respiração da natureza – atravessa a uivar,

ribeiros que se despenham nos abismos num ímpeto lírico e suicida,

lagoas límpidas e secretas onde ninguém lava a impureza.

Graníticos e orgulhosos, os píncaros viam-me aproximar e cerravam a catadura.

Mas levei ao alto de todos a minha cordialidade humana.

Por honra da firma, como já disse,

e por serem a única grandeza de Portugal com que apetece a gente medir-se.

 

Gerês, 26 de Agosto de 1958

Diário VIII, Miguel Torga

 

 

 

Ermida do Gerês, aldeia serrana do Parque Natural da Peneda-Gerês, pertencente à freguesia de Vilar da Veiga, está situada a 550 metros de altitude.

 

Desta aldeia, começa e acaba um percurso pedestre de Pequena Rota – PR 14, de caráter ambiental e paisagístico, das Terras do Bouro, com a designação de Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês

 

O nome deste trilho prende-se como facto de, ao longo do percurso, existir, na paisagem montanhosa, um sobreiral.

 

Para além da paisagem so sobreiral, este trilho tem também como motivos de interesse a célebre cascata do Arado e os currais utilizados pelos pastores, quando prartica(va)m a(s) vezeira(s), trazendo, para a montanha, no período do verão, o gado.

 

Chegados à Ermida do Gerês, no largo, onde existe um posto de informação, fechado,

02.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (11)

 

e, pertinho, a Casa Florestal,

03.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (2)

Subimos ao miradouro.

04.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (4)

Daqui observámos parte da aldeia com os seus lameiros, a linha de horizonte com as cumeadas da serra do Gerês

05.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (5)

e a sua respetiva igreja.

06.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (6)

Depois de nos termos dirigido a um pequeno super para nos abastecermos de víveres para a caminhada do dia, enveredámos pelo bosque, essencialmente constituído por pinhal, por meio de um estradão.

07.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (17)

Nas proximidades de um parque aventura - «Selvagem Aventura» - por entre arvoredo, eis a paisagem que se vislumbra.

08.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (18)

Na nossa linha de horizonte, a aldeia da Ermida do Gerês.

09.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (24)

No «Selvagem Aventura», por entre penhascos, o Gerês com toda a sua imponência e rudeza granítica.

10.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (28)

Florens para a apreciar a paisagem. Até parece um pastor do local!

11.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (31)

E continuámos pelo estradão, em subida suave,

12.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (34)

até que nos cruzámos com três garranos

13.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (44)

e, em pleno pinheiral, por entre pedregulhos, uma cabra montesa.

14.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (47)

A partir daqui,

15.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (42)

começámos a descer, com este cenário em frente,

16.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (49)

ao encontro da estrada do Arado, passando pela Fonte do Arado,

17.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (54)

cruzando-nos com o pastor Paulo, com o seu cãozito, num merendeiro, rodeado de cupressos,

18.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (57)

e passando ainda pela Fonte da Chã do Arado.

19.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (58)

Começámos este trilho a chover. E, ao longo do mesmo, a chuva não parou.

 

Nas proximidades da ponte do Arado,

20.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (65)

começou a chover ainda mais intensamente.

 

Pelos montes, formavam-se abundantes regos de água,

21.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (61)

debitando o seu caudal ao rio Arado.

22.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (66)

Enquanto subíamos as escadas para nos posicionarmos no miradouro da cascata do Arado,

23.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (75)

Florens, ficava por debaixo de um dos arcos da ponte do Arado, protegendo-se da chuva, para mudar de roupa, pois estava todo encharcado.

24.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (77)

Deixamos aos nossos leitores 5 cenários da cascata do Arado.

25.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (114)

(Cenário I)

26.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (91)

(Cenário II)

27.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (119)

(Cenário III)

28.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (107)

(Cenário IV)

29.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (111)

(Cenário V)

Saídos do miradouro da cascata do Arado, por estradão,

30.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (147)

passando ao lado da Fonte das Letras,

31.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (149)

por um pinheiral e um vidoedo,

32.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (152)

fomos ter ao curral da Malhadoura, com um pequeno merendeiro, sob enormes fraguedos,

33.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (166)

a Fonte da Malhadoura,

34.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (174)

e o abrigo dos pastores.

35.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (172)

Saímos do curral da Malhadoura, continuando pelo estradão,

36.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (180)

 passando pelo Forno da Ribeira e indo até à Tribela.

36a.- Trilho do Sobreiral da Ermida (Samsung) (65)

Continuava a chover copiosamente.

37.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (183)

Passámos pela Fonte da Malhadoura

38.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (181)

e pelo curral dos Portos,

39.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (186)

com uma construção relativamente recente.

40.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (187)

Logo a seguir, seguindo orientação para sul, a partir de Tribela, entrámos em pleno sobreiral, iniciando uma longa descida que nos levará, pelo Carvalhal Escuro, a atingirmos a estrada Ermida/Fafião.

41.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (199)

(Cenário I)

42.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (206)

(Cenário II)

43.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (225)

(Cenário III)

Aproximámo-nos do curral das Cortes.

44.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (192)

O curral das Cortes fica já em pleno sobreiral.

45.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (213)

(Cenário I)

46.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (219)

(Cenário II)

47.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (220)

(Cenário III)

48.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (224)

(Cenário IV)

Florens, qual pastor celta, em pose de guarda, no «seu» abrigo.

49.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (222)

Continuámos nosso percurso pelo sobreiral abaixo.

50.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (233)

(Cenário I)

51.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (240)

(Cenário II)

52.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (244)

(Cenário III)

53.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (250)

(Cenário IV)

A determinada altura, na descida, vislumbrámos o encontro do rio Arado com o rio Fafião.

54.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (253)

Enquanto descíamos, encontrámos o amigo Argentino, de Fafião, casado com uma senhora da Ermida do Gerês. Acompanhava-o a cadela Pála.

55.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (266)

Andava a guardar o seu gado, mas, quer a cadela Pála, quer o pachorrento cão pastor, já andavam cansados:

55a.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (277)

andava por ali um corço, mas não o conseguiram apanhar. As buscas foram em vão!

 

Antes de chegarmos à estrada da Ermida/Fafião, eis uma lama (chã) da Ermida do Gerês.

56.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (274)

Chegados à estrada,

57.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (280)

a determinada altura, o senhor Argentino, que agora nos acompanhava, com o seu cajado, aponta para uma pedra, com uns dizeres quase ilegíveis e diz-nos: aqui são os limites de Terras de Bouro (Ermida do Gerês) e de Montalegre (Fafião).

58.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (288)

O amigo Argentino, depois de ultrapassarmos a estrada, indica-nos o percurso que devíamos seguir pelo bosque,

59.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (296)

acompanhando-nos, bosque dentro,

60.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (306)

até determinada altura.

 

Aqui nos despedimos do senhor Argentino, que, posta a conversa em dia, a propósito da vida de cada um,

61.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (291)

foi saber do seu gado. E nós, fomos estradão fora,

61.-2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (312)

acompanhados pelo bosque, essencialmente de carvalhos,

63.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (315)

fomos em direção à Ermida do Gerês, passando pela ponte de Relvas

64.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (316)

sobre o rio Arado.

65.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (323)

(Cenário I)

66.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (351)

(Cenário II)

67.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (356)

(Cenário III)

A partir da ponte de Relvas, foi uma curta, mas penosa subida, até à aldeia de Ermida.

 

Ao chegarmos à aldeia, encantou-nos este lameiro, com este penedo e a vinha de forcado.

68.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (371)

Vejamos o penedo um pouco mais de perto.

69.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (372)

bem como as lamas.

70.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (374)

Rapidamente atravessámos a aldeia.

71.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (386)

Continuava a chover abundantemente.

 

Ultrapassado este espigueiro,

72.- 2018.- Trilho do Sobreiral da Ermida do Gerês (384)

o que mais desejávamos era encontrar um café aberto. Estávamos todos encharcados de água da chuva.

 

Felizmente estava um café aberto.

 

Entrámos. Mudámo-nos. Tomámos uma bebida quente.

 

Nunca tínhamos feito um percurso com tanta chuva!

 

Os caminhos florestais que percorremos, permitiu-nos apreciar locais de beleza paisagística, como a cascata do Arado, os currais utilizados pelos pastores, e um bonito sobreiral, sobranceiro aos rios Arado e Fafião.

 

Foi, apesar da chuva, um dos percurso mais bonitos que fizemos.

 

Apresentam-se os dados técnicos, como a distância e horas que levou o percurso,

73.- IMG-20180704-WA0001

bem assim a velocidade e a elevação.

74.- IMG-20180704-WA0002

 

 


publicado por andanhos às 21:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Julho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês:- Trilho da Preguiça

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

01.- 2018.- Trilho da Preguiça (182)

 

TRILHO DA PREGUIÇA

(Percurso Interpretativo da Ecologia do Carvalhal)

 

11.abril.2018

(Parte da tarde)

 

 

 

 

Subo, subo, subo.

Mas de nada vale.

Não consigo chegar ao cimo de qualquer Sinai de transfiguração.

A sarça ardente que me envolve em cada píncaro

É um delírio dos sentidos exasperados pelo próprio cansaço.

As tábuas da lei que me ficaram nas mãos depois do transe

São as mesmas tristes normas de vida que já trazia.

A abóbada celeste desenvolve-me apenas

o eco da minha própria humanidade.

 

Gerês, 16 de Julho de 1976

Diário XII, Miguel Torga

 

 

Este trilho, que se desenvolve na Encosta do Arnado, na vertente esquerda do vale da Falha Geológica do Gerês-Lobios, na serra do Gerês e no seu vale, é composto por três traçados, quase todos coincidentes na maior parte do trajeto. O mais difícil e longo, com cerca de 5,5 Km é o «trilho I», com uma ingreme subida logo no início. Os «trilhos II e III» são mais curtos e de menor grau de dificuldade, conforme o leitor pode ver no panfleto do Trilho da Preguiça - Percurso Interpretativo da Ecologia do Carvalhal (PR 10).

 

Através da copa das árvores, localizamos as manchas de pinhal, carvalhal,

02.- 2018.- Trilho da Preguiça (147)

medronhal,

03.- 2018.- Trilho da Preguiça (18)

outras resinosas, matos e espécies infestantes, como as mimosas (Acacia dealbata).

04.- 2018.- Trilho da Preguiça (96)

É nesta grande diversidade de coberto vegetal que reside o principal interesse desta região, e principalmente deste trilho, para a Educação Ambiental.

 

Neste trilho, encontrámos formações vegetais com uma diversidade de espécies e uma estrutura relativamente próximas da vegetação primitiva que cobria toda a região – o carvalhal.

05.- 2018.- Trilho da Preguiça (60)

Apresenta outras formações vegetais que evidenciam o impacte de atividades humanas, nomeadamente a agricultura, a pastorícia,

06.- 2018.- Trilho da Preguiça (187)

a produção florestal, o fogo

07.- 2018.- Trilho da Preguiça (82)

(Cenário I)

08.- 2018.- Trilho da Preguiça (101)

(Cenário II)

09.- 2018.- Trilho da Preguiça (85)

(Cenário III)

e a introdução de espécies exóticas sobre a cobertura vegetal original.

10.- 2018.- Trilho da Preguiça (83)

(Cenário I)

11.- 2018.- Trilho da Preguiça (12)

(Cenário II)

Sob a copa do carvalhal ou do medronhal, apesar do esforço, principalmente na subida, sentíamos a sombra,

12.- 2018.- Trilho da Preguiça (115)

a frescura do ar,

13.- 2018.- Trilho da Preguiça (114)

o burburinho da água na ribeira ou a brisa que movimenta a folhagem.

14.- 2018.- Trilho da Preguiça (36)

(Cenário I)

15.- 2018.- Trilho da Preguiça (64)

(Cenário II)

Por isso, este é um habitat hostil para muitas espécies, para todas aquelas que não toleram a sombra.

 

Chama-nos a atenção o panfleto, acima citado, que nenhum dos nossos sentidos deverá ficar indiferente e, consequentemente, devem estar atentos.

 

Positivamente caminhámos ao nosso ritmo – pausado – , não só para apreciar a natureza da floresta primitiva dos nossos antepassados, como também para a captar com a nossa objetiva. Não sucessivas pausas que íamos fazendo, também para recuperar o folego da subida, principalmente da primeira parte do percurso, foi bem verdade a sensação de sermos parte integrante desta peculiar natureza, pisando  um território – o carvalhal, a nossoa floresta primitiva - onde os nossos antanhos aqui viveram as suas vidas, sentindo-nos parte integrante das mesmas. Aqui, o sentido de comunidade do passado, ainda hoje, para nós, faz todo o sentido.

16.- 2018.- Trilho da Preguiça (26)

Na verdade, estamos de acordo com o(s) autor(es) do panfleto deste trilho quando nos alertam de que o carvalhal é uma parte do nosso património natural que urge preservar, não apenas pela sua diversidade vegetal ou pela forma como valoriza a nossa paisagem, mas também, pela diversidade animal que abriga e sustenta.

17.- 2018.- Trilho da Preguiça (23)

(Cenário I)

18.- 2018.- Trilho da Preguiça (124)

(Cenário II)

O Homem tem sido o principal agente desestabilizador e responsável pelas ações agressivas neste ecossistema.

19.- 2018.- Trilho da Preguiça (117)

Estas intervenções desestabilizaram, total ou parcialmente, as condições ambientais existentes e, como consequência, toda a comunidade acabou por ser eliminada e substituída por outra, que pouco ou nada tem em comum com a anterior, dando origem a comunidades degradativas, ditas de regressão – os matos – como os tojais, giestais, urzais e carquejais dominados, respetivamente, pelo tojo (Ulex sp.), giesta (Cytisus sp.), urze (Erica sp.) e carqueja (Chamaespartium tridentatum).

20.- 2018.- Trilho da Preguiça (107)

Outras estão ocupadas por áreas agrícolas e de silvicultura, como os pinhais (Pinus pinaster e Pinus sylvestris) e eucaliptais.

21.- 2018.- Trilho da Preguiça (105)

Toda esta biodiversidade, que constitui agora um património natural, biológico e genético, de um valor  incalculável, deve ser preservado e transmitido às gerações vindouras. Não o devemos degradar mais!...

22.- 2018.- Trilho da Preguiça (99)

Descrevamos sumariamente este nosso trilho.

 

O percurso («trilho I») que fizemos é de tipologia circular, com uma duração média de 3 horas.

 

Foi a sua dificuldade inicial que nos sugeriu a entrada do Diário XII, de Miguel Torga, acima citada.

 

O trilho inicia-se junto da Casa da Preguiça – daí o nome do trilho.

23.- 2018.- Trilho da Preguiça (1)

e após baixar ligeiramente até perto da Curva da Morte,

24.- 2018.- Trilho da Preguiça (130)

penetra na floresta

25.- 2018.- Trilho da Preguiça (6)

ascendendo de uma cota de 665 metros até aos 852 metros,

26.- 2018.- Trilho da Preguiça (102)

(Ponto I)

27.- 2018.- Trilho da Preguiça (110)

(Ponto II)

28.- 2018.- Trilho da Preguiça (104)

(Pormenor - Cabeça de serpente)

passando por zonas de pinhal e carvalhal secular.

29.- 2018.- Trilho da Preguiça (94)

(Cenário I)

30.- 2018.- Trilho da Preguiça (109)

(Cenário II)

31.- 2018.- Trilho da Preguiça (131)

(Cenário III)

A partir daqui, o trilho inicia um percurso descendente que o leva a atravessar a estrada nacional EN 308 em direção à Cascata de Leonte,

32.- 2018.- Trilho da Preguiça (123)

(Cenário I)

33.- 2018.- Trilho da Preguiça (144)

(Cenário II)

34.- 2018.- Trilho da Preguiça (146)

(Cenário III)

passando pelo ribeiro da Cantina,

35.- 2018.- Trilho da Preguiça (164)

(Cenário I)

36.- 2018.- Trilho da Preguiça (166)

(Cenário II)

37.- 2018.- Trilho da Preguiça (160)

(Cenário III)

pelo curral do rio Gerês (Curral da Mijeceira),

38.- 2018.- Trilho da Preguiça (148)

pela peculiar ponte de madeira

39.- 2018.- Trilho da Preguiça (191)

sobre o rio Gerês,

40.- 2018.- Trilho da Preguiça (242)

atravessando parte da calçada portuguesa ali existente.

41.- 2018.- Trilho da Preguiça (176)

até subir ligeiramente e indo ter à  cascata de Leonte.

42.- 2018.- Trilho da Preguiça (199)

(Perspetiva I)

43.- 2018.- Trilho da Preguiça (202)

(Perspetiva II)

44.- 2018.- Trilho da Preguiça (213)

(Perspetiva III)

45.- 2018.- Trilho da Preguiça (232)

(Perspetiva IV)

Daqui, voltamos para trás

46.- 2018.- Trilho da Preguiça (243)

até á indicação da cascata da Laja, por um antigo caminho florestal que ligava as Caldas do Gerês e a Portela de Leonte,

47.- 2018.- Trilho da Preguiça (152)

para, de novo começamos a perder altitude até perto do rio Gerês,

48.- 2018.- Trilho da Preguiça (198)

caminhando sempre pelo carvalhal.

49.- 2018.- Trilho da Preguiça (183)

O trilho leva-nos ao cural da Laja,

50.- 2018.- Trilho da Preguiça (201)

ao ribeiro da Laja, passando por uma ponte de madeira, junto da cascata da Laja,

51.- 2018.- Trilho da Preguiça (203)

 (Perspetiva I)

52.- 2018.- Trilho da Preguiça (254)

53.- 2018.- Trilho da Preguiça (251)

(Perspetiva III)

54.- 2018.- Trilho da Preguiça (263)

(Perspetiva IV)

já perto do final do percurso.

 

Subindo agora um pouco, chegámos ao fim do nosso percurso.

55.- 2018.- Trilho da Preguiça (214)

Atravessando a estrada, deixámos a Casa da Preguiça ao lado

56.- 2018.- Trilho da Preguiça (216)

e, entrando no carro, fomos em direção à Vila do Gerês.

 

Andámos 5, 150 Km, em 2 horas e 40 minutos,

57.- Trilho da Preguiça (2)

Tendo em conta a velocidade e a elevação registadas pelo nosso app S Health, de acordo com gráfico que se mostra.

58.- Trilho da Preguiça (3)


publicado por andanhos às 15:17
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Julho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês:- Trilho Interpretativo das Silhas dos Ursos

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

 

01.- 2018.- Trilho da  Silha dos Ursos (81a)

 

TRILHO INTERPRETATIVO DAS SILHAS DOS URSOS

 

11.abril.2018
(Parte de manhã)

 

 

É possível que esta paixão telúrica que me faz divinizar as fragas,
os rios e os carvalhos signifique, afinal de contas,
que não consegui desembaraçar-me da placenta de ovelha
que o destino me atirou à figura, como certo inimigo fez a Maomé.
Mas não me desagrada a hipótese. Estou sinceramente convencido
de que a realidade campestre nem é inferior à outra, nem se lhe opõe.
Por detrás das pedras roladas e das ravinas,
pulsa o mesmo coração inquieto da vida.
A solução, portanto, consiste apenas em auscultá-lo
com a finura de ouvido que é obrigatória nas consultas citadinas.
E a mágoa que me punge não é de ser montanhês por devoção:
é de não ser capaz de revelar todos os mistérios
que se escondem nas dobras da estamenha.
Bem rústicas parecem as urzes, e
a abelha tira das suas flores mel perfumado .
Nada mais agressivo do que um silveiredo,
e o melro faz o ninho no meio dele (...).

 

Gerês, 10 de Setembro de 1954
Diário VII, Miguel Torga

 

 


Este trilho está localizado nas freguesias de Vilar da Veiga e Campo de Gerês, no concelho de Terras de Bouro.

 

Começa na Casa de Guarda Florestal de Junceda, a 915 metros de altitude.

02.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (26a)

Tem uma extensão de 5 Km e uma duração de 3 horas. Possui uma cota mínima de 900 metros e máxima de 1100 metro. Contudo, o nosso desnível foi maior, pois tivemos de andar mais 3 Km, sempre a subir, por um caminho florestal, desde este cruzamento da EM 533, vindos da Vila do Gerês,

03.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (2)

até à Casa de Junceda, porquanto a funcionária da Porta do Campo do Gerês, na véspera, nos afirmou esta estrada florestal estar intrasitável para viaturas automóveis ligeiros, o que, no terreno, viemos a verificar não ser totalmente verdade, uma vez feita uma condução com cuidado.

 

Desenvolve-se na serra do Gerês, sobre uma das vertentes do vale de Falha Geológica do Gerês-Lobios, tendo como pano de fundo o rio Gerês. A falha em questão está relacionada com tensões tardihercínicas que levaram a uma fraturação que cortou e deslocou os granitos desta região. Possui uma direção NNE-SSW, sendo responsável pela deslocação dos vales dos rios Cávado e Homem e pelas nascentes termais da Vila do Gerês e do rio Caldo (Lobios, Galiza). Os sistemas hidrominerais do Gerês e Lobios têm umja mineração incomum, especificadamente em termos de teores de flúor e boro.

 

De acordo com o panfleto informativo do Trilho Interpretativo das Silhas dos Ursos, este percurso pedestre de Pequena Rota (PR 11), do Parque Nacional da Peneda-Gerês, tem os seguintes postos ou pontos de interesse, entre outros: Casa de Junceda; Silha dos Ursos I; Silha dos Ursos II; Prado de Gamil; Prado da Tojeira e caminho de retorno à Casa de Junceda.

 

O tema do trilho é a apicultura e a arquelogia rural, para além, evidentemente, da natureza e paisagem.

 

O espaço territorial que o trilho percorre é constituído por encostas de matos, linhas de água, pequenos bosques de carvalhos, vidoeiros e azevinhos e prados de altitude gerados por depósitos glaciares, fluviais e de vertente.

 

Neste território, continua o panfleto, é frequente a observação de animais silvestres, em especial aves, sendo a águia-de-asa-redonda (Buteo buteo) a mais comum.

 

O trilho desenvolve-se sempre por caminho de pé posto, com piso irregular e inclinado nas encostas; e piso regular e pouco acentuado nas zonas de prado.

 

Afinal, o que é uma silha, nome que dá a designação a este trilho?

 

Silha é uma estrutura que protegia os cortiços do apetite por mel do urso-pardo (Ursus arctos), que vagueou por estas terras até meados do século XVII. As silhas eram construídas com blocos de granito (abundante na região), em parede dupla, com muros ligeiramente inclinados para fora, sendo a fiada superior ligeiramente saída e com altura sempre superior a 2,8 m. No seu interior, dispostos em pequenos socalcos e travados por pedras, eram colocados os cortiços, de forma circular e feitos de cortiça (daí o nome) e cobertos com um telhado de colmo. Algumas das silhas tinham pequenas portas que davam acesso ao interior. As silhas, de forma a favorecer o trabalho e a saúde das abelhas, eram sempre construídas em encostas ensolaradas e abrigadas do vento, voltadas a nascente/sul. Eram construídas perto da água e de vastas extensões de matos formados por plantas melíferas, compostos por urzes (Erica spp), carqueja (Pterospartum tridentatum subsp. tridentatum), tojo (Ulex spp) e giestas (Cytisus spp).

 

Vamos, então, dar início ao nosso percurso de hoje, focando os postos ou os pontos de interresse mais significativos neste trilho já acima enunciados:

 

1.- Pela estrada florestal até à Casa de Junceda

 

Foram 3 Km numa ascenção não muito dura, em terreno largo, tendo sempre como pano de fundo os cocurutos de granito, por um lado,

04.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (16)

e os pequenos lameiros, por outro, envoltos pelas penedias da serra do Gerês, reluzentes, após o nascer do sol, e onde o carvalho é omnipresente.

05.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (5)

O piso do estradão apresentava-se com poças de água, da chuva caída no dia anterior e de noite.

06.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (26)

A aldeia de Covide, ao fundo, do lado esquerdo, abrigada pelos montes da serra e rodeada de lameiros...

07.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (23)

E, sem darmos conta, na conversa, chegámos à Casa Florestal de Junceda.

08.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (32)

Aqui parámos ligeiros minutos para apreciarmos esta bonita arquitetura, com uma casa ao abandono, totalmente desabitada. O que é pena!

09.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (26b)

 

2.- Da Casa de Junceda à 1ª e 2ª Silha dos Ursos

 

É exatamente neste sítio que o nosso percurso Interpretativo das Silhas dos Ursos, ligado aos temas da paisagem e da arqueologia rural, começa.

10.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (32c

Poucos metros percorridos, à sombra de um velho carvalho, onde o verde do musgo abunda, aparece-nos esta fonte.

11.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (40)

abastecemo-nos de água fresca e continuámos o nosso caminho que, logo começa a subir.

12.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (45)

Ultrapassada uma cancela,

13.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (42)

cerca de 100 metros da Casa de Junceda, aparece-nos a 1ª silha, que foge um pouco à descrição do conceito que acima deixámos.

14.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (51b)

Esta apenas nos mostra um perqueno montículo de pedras em cima de um grande penedo e, no placar informativo, diz ser do século XVII.

15.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (51a)

Continuando a seguir a sinalização,

16.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (48)

subindo mais um pouco, fomos ao encontro da 2ª silha.

17.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (55)

A determinada altura, o nosso caminho de pé posto, é em forte declive, e por entre penedos. Há que ter muito cuidado para ultrapassar esta íngreme descida. Mas, como em tudo, logo após a tempestade vem a bonança, e, por entre enormes rochedos, em piso suave, o nosso caminho de pé posto, deu-nos um certo descanso.

18.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (63)

As penedias, a paisagem que tanto encantava o nosso Torga quando, como andarilho, por aqui andava, por todo o lado nos rodeia.

19.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (64)

Mais ao longe, ainda com neve, o pico Meda de Recalva, com 1431 de altura.

20.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (64)

Passado um regueiro de água,

21.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (72)

em poucos metros, estamos na silha nº 2.

22.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (83)

Aqui já se aparenta mais com a definição que acima demos, embora, porque toda coberta de entulho,

23.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (77)

e parcialmente destruída, não dá para se ter uma ideia exata do que efetivamente foi. Vale, para o efeito, uma aproximação, a partir dos vestígios que aqui se deixam.

 

Chegados agora aqui, o caminho não tem continuação. Há que voltar para tràs. Mas o caminho de volta já não passa pelo caminho de vinda, evitando, desta feita, agora aquela íngreme subida. Segue outro traçado,

24.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (96)

que nos levará ao Prado de Gamil.

 

3.- Prado de Gamil

 

Traçado esse que decorre por entre pastos de montanha,

25.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (104)

entre pequenas descidas, e outras subidas, relativamente acentuadas,

26.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (109)

com regatos de água, e certo declive.

27.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (117)

Antes de chegarmos ao Prado de Gamil, num regato, Florens pára para tirar uma foto, tão inebriado estava com a paisagem à sua frente.

28.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (113)

Poucos metros percorridos, mais à frente, por entre água escorrendo por todos os cantos, aparece-nos o pequeno Prado de Gamil.

29.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (122)

Um pequeno prado com uma fonte e um bebedouro para os animais.

30.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (127)

Porque já perto de meio-dia e com o calor apertando, o nosso reservatório de água esgotou-se. E, neste fonte do prado, aproveitámos para nos abastecer.

31.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (132)

Aqui fizemos uma pausa mais prolongada: por um lado, para, neste lugar fresco, onde apenas se ouvia o sons dos pequenos passariformes e os pequenos regatos a escorrer para as linhas de água, observar este pequeno e aprazível pasto, quase no cume da serra granítica;

32.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (137)

por outro lado, subindo um pouco mais, mesmo perto do cume do monte, para observar, lá no fundo, parte da albufeira de Vilarinho da Furna, encaixada entre as serras Amarela e a do Gerês.

33.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (140)

 

4.- Caminho de retorno à Casa de Junceda com passagem pelo Prado da Tojeira

 

Nossos principais atrativos tinham sido vistos. Florens, de satisfeito, faz-nos uma careta para a objetiva.

34.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (145)

Havia que voltar ao lugar de partida - a Casa de Junceda - seguindo, a determinada altura, um outro itinerário, conforma vem explicitado no panfleto oficial do trilho, passando pelo Prado da Tojeira, onde ali podemos ver vacas a pastar

35.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (149)

e, por entre o mato, o azevinho.

36.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (154)

No caminho de pé posto, nas proximidades do Prado da Tojeira, um filão de quartzo na rocha de xisto.

37.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (153)

Florens, como sempre, aproveita para levar uma pedra como recordação do trilho que fez.

38.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (152)

Até que nos aproximámos da Casa de Junceda, nosso lugar de partida e chegada deste trilho interpretativo.

39.-2018.- Trilho da Silha dos Ursos (159)

Ultrapassada a Casa, e seus anexos,

40.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (160)

a vegetação, nas suas proximidades, denota intervenção, no sentido de introdução de espécies não apenas autóctones, mas também exóticas.

41.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (161)

 

5.- Miradouro de Junceda

 

Uma vez aqui, não podíamos deixar para trás o Miradouro da Junceda.

42.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (168)

Neste lugar aproveitámos não só para descansar um pouco como também para comer fruta. Já passava da uma da tarde. íríamos almoçar tarde, pois ainda tínhamos 3 Km para percorrer até ao cruzamento onde deixámos a viatura, voltando pela mesma estrada florestal.

43.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (168a)

E, tratando-se de um miradouro, não podíamos perder as vistas que ele nos oferecia. Destacamos duas: a primeira, e numa outra perspetiva, o pico Meda de Recalva;

44.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (169)

a segunda, o profundo vale do rio Gerês, resultante da aludida Fallha Geológica, com a Vila do Gerês nele encaixado.

45.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (172)

Na despedida do lugar, uma olhada para a beleza desta vaca barrosã a pastar, entre muitas, nas proximidades do miradouro.

46.- 2018.- Trilho da Silha dos Ursos (167)

Dados técnicos: o nosso percurso foi aquele que vem assinalado na imagem abaixo, tendo percorrido 11, 820 Km, em 3 horas e 22 minutos,

47.- Trilho da Silhas dos Ursos (2)

com a elevação e velocidade que o gráfico abaixo mostra.

48.- Trilho da Silhas dos Ursos (3)


publicado por andanhos às 09:27
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 26 de Junho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês - Trilho da Águia do Sarilhão

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

01.- vestigios_desenho_gerês_2

 (Fonte:- https://www.wilder.pt/divirta-se/medronheiros-carvalhos-e-lagartos-dagua-no-trilho-da-aguia-do-sarilhao/)

 

TRILHO DA ÁGUIA DO SARILHÃO

 

10.abril.2018

 

 

 

Estas pequenas comunidades que nos restam,
Rio de Onor, Vilarinho da Furna, Laboreiro,etc., estão na última agonia.
o estado já não as pode tolerar, alheias à vida da nação,
estrangeiras dentro do próprio território.
Por isso, manda-lhes ao coração o golpe de uma estrada
e a isca de uma camioneta dum sardinheiro.
E assim, um a um se vão apagando estes pequenos enclaves,
não digo de paradisíaca felicidade, mas de uma humana e natural liberdade.
Uma vida social assim, apenas acrescida de ciência e cultura, seria ideal.
Antes de mais, o homem começou aqui a formar uma consciência cívica e fraterna,
fundada em amor, e fez depois as reformas consoantes.
Mas parece que se resolveu matar primeiro o homem e a sua harmonia espontânea,
e construir então sobre cadáveres o futuro.

 

Castro Laboreiro, 24 de Agosto de 1948
Diário IV, Miguel Torga

 


Estou a vingar-me mais uma vez, a olhar esta Jeira Romana e os seus marcos delidos.
Estou a vingar-me de quantos Césares o mundo tem dado,
convencidos de que basta mandar fazer calçadas e pontes,
gravar uma coluna a era e o nome,
para que a eternidade fique por conta deles.
Os palermas! Pois venham cá ver a eternidade!
Uma estrada mais larga e menos dura ao lado da velha,
e as datas e os nomes apagados no granito.

 

Gerês, Bouça da Mó, 15 de Agosto de 1948
Diário IV, Miguel Torga

 

 


Ao contrário do que tem acontecido nestes últimos anos, entre os meses de abril e maio, que, com o Florens, percorríamos os Caminhos de Santiago, na Gallaecia (Ibéria), este ano mudámos de rumo e fomos ao encontro do nosso Portugal mais profundo.

 

O nosso destino foi o Parque Nacional da Peneda-Gerês, mais particularmente a serra do Gerês, nas Terras de Bouro, com assento na vila termal do Gerês.

 

Gerês, uma das primeiras instâncias para onde o nosso poeta maior transmontano, religiosamente, durante alguns anos, para lá se dirigia para tratar os seus achaques.

 

Andarilho que era, nestas suas estadias percorreu, muitas vezes sem parar, todos os escaninhos (ou andanhos) deste Parque Nacional, constituído pelas serras da Peneda, do Soajo, da Amarela e do Gerês.

02.- Mapa_PenedaGeres

(Fonte:- https://gotoportugal.eu/pt/sitios-a-visitar-parque-nacional-da-peneda-geres/)

Por tal facto, não é de estranhar que, no seu Diário, nos deixe algumas das suas impressões, não só sobre as gentes que, por essas serranias viviam, e com quem se cruzava, como pelo território, sua história, cultura e natureza e que alguma da sua poesia tenha sido inspirada por estes lugares.

 

E não é, por isso, de estranhar que este trilho - com a designação PR 5 - Águia do Sarilhão - pertença a uma rede de percursos pedestres do Parque Nacional intitulada “Na Senda de Miguel Torga”, criada em homenagem ao escritor.

 

Logo que nos acomodámos e almoçámos, de tarde, começámos a andar.

 

Começámos o Trilho da Águia do Sarilhão nas imediações do Parque de Campismo da Cerdeira (Campo do Gerês), da freguesia de S. João do Campo, embora, antes, tenhamos ido à Porta do Campo de Gerês, Terras do Bouro.

03.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (128)

Não é nosso intento falar aqui detalhadamente sobre os diferentes troços do trilho. Mas não podemos deixar de frisar que na Porta do Campo de Gerês se encontra o Museu Etnográfico de Vilarinho da Furna,

04.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (133)

e que, ao sairmos da Porta e do Museu, chamou-nos a atenção este cruzeiro da freguesia de Campo do Gerês.

05.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (131a)

Vendo-o mais em pormenor,

06.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (131)

realçamos uma constatação - a junção do «mundo» romano, com os seus miliários, (da Via XVIII ou Geira) com o «mundo» cristão, simbolizado no crucifixo. (*)

 

E foi precisamente refletindo sobre estes dois «mundos» que, enquanto caminhávamos pelas veredas do trilho,

07.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (6)

seguindo atrás do Florens,

08.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (7)

umas vezes, tendo cuidado com as enormes torgas floridas que, aqui e ali, entupiam a mal reparada vereda, onde também podemos encontrar áreas de mato e pinhal, de vegetação ribeirinha, de medronhal (Arbutus unedo) e de carvalhal (Quercus robur), mas também mas também termentelo (Thymus caespititius), erva-dos-piolhos (Pedicularis sylvatica) e algumas margaridas-do-monte (Chamaemelum nobile),

09.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (15)

outras vezes, estando atento às diferentes linhas de água que, atravessando o pedregoso caminho,

10.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (22)

íam dar ao ribeiro de Roda,

11.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (9)

e, outras vezes ainda, observando o curioso Florens, captando os pequenos pormenores da natureza por onde passávamos,

12.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (13)

avistamos a Fraga do Sarilhão, onde a águia-real (Aquila chrysaetos) construía os seus ninhos. É uma espécie com estatuto de proteção, em perigo de extinção, característica de vales alcantilados e de zonas de fragas, onde, habitualmente, constrói os ninhos.

13.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (25)

Hoje em dia a águia já não anda por estas paragens. Apenas pudemos apreciar parte do seu entorno.

14.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (28)

Nem tão pouco vimos as Silhas dos Ursos, estruturas que protegiam os cortiços do apetite por mel do urso-pardo (Ursus arctos) que vagueou por estas terras até meados do século XVII. Amanhã vamo-nos aproximar de duas.

 

Mais um pouco a descer, sob intensa chuvada, e estávamos num caminho florestal, em frente à albufeira de Vilarinho da Furna.

15.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (36)

Aqui, mesmo preocupado com a chuva, que caía intensamente, não esquecíamos as palavras de Miguel Torga, vertidas no seu Diario, a 24 de agosto de 1948. Ainda, nessa altura, o nosso grande poeta transmontano falava das terras, como Vilarinho da Furna, como estando na última agonia, estrangeiras dentro do seu próprio território, estes enclaves de genuína cultura lusitana, onde, apesar da extrema pobreza, estavam prenhes de uma humana e natural liberdade, a que apenas lhes faltava, para termos comunidades ideais, a ciência e a cultura, porquanto o verdadeiro ser português, feito de consciência cívica e fraterna, fundada em amor, ali estava!

 

E, no final da entrada deste dia 24 de agosto de 1948, Miguel Torga queixava-se que se tinha resolvido matar primeiro o homem e a sua harmonia espontânea e, depois, construir então, sobre cadáveres, o futuro!

 

Olhámos uma vez mais para esta albufeira,

16.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (35)

(Cenário I)

17.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (43)

(Cenário II)

18.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (54)

(Cenário III)

nossos olhos, neste mês chuvoso de abril, nem sequer já vimos o cadáver de todo o património edificado de uma comunidade, que ficou soterrada nas águas do rio Homem, a partir de maio de 1972, espalhando as poucas gentes que tinha pelos quatro cantos de Portugal e do mundo!

 

Apenas restou o testemunho (etnográfico) de uma vida genuinamente portuguesa (e ibérica) - o comunitarismo...

 

Estamos com Manuel Azevedo, Lucinda Coutinho Duarte e João Pedro Reino, do CEPAD - Centro de Estudos da População, Ambiente e Desenvolvimento, da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, quando, numa comunicação ao IV Congresso Ibérico sobre Gestão Planificação da Água (8 a 12 de dezembro de 2004, Tortosa, Espanha), sob o título «Barragens em Portugal: de Vilarinho da Furna à Aldeiad a Luz, com passagem pelo Douro Internacional», quando, a certo passo da comunicação, dizem: "Não fosse a sua riqueza etnográfica e a construção da barragem que pôs termo à sua existência e Vilarinho da Furna seria hoje uma aldeia esquecida, anónima como o seu passado, qual pérola perdida na vastidão das serras do Minho. Mas tal não aconteceu porque os olhos dos etnólogos descobriram em Vilarinho uma relíquia da velha organização comunitária, hoje agonizante, mas outrora muito difundida na Europa. Mesmo sem ser um caso único, o comunitarismo de Vilarinho era, pelo menos, um caso invulgar".

 

É, manifestamente, uma constatação!

 

Mas já não estamos com o otimismo que, na mesma comunicação, os autores evidenciam, ao afirmarem que: "Apesar da destruição da aldeia, que ocasionou a dispersão da população, a morte transformou-se no princípio de uma vida nova para os Desenraizados de Vilarinho da Furna. Os anos passaram e, hoje, essa população está organizada n’AFURNA – Associação dos Antigos Habitantes de Vilarinho da Furna, criada em Outubro de 1985, que tem por objectivo a defesa, valorização e promoção do património cultural, colectivo e/ou comunitário do antigo povo de Vilarinho. Esse património é fundamentalmente constituído pelas componentes histórico-cultural e sócio-económica. Daí as tarefas e/ou acções a desenvolver nas áreas da cultura, da formação, da investigação científica e do desenvolvimento económico-social. O que trará consigo, além do mais, a criação de um pólo de desenvolvimento regional, com incalculáveis benefícios para o próprio país".

 

14 anos passados sobre estas palavras e pouco de realizações no terreno vimos. O Interior português, a matriz mais autêntica da nossa portugalidade, onde aí podíamos conhecer e beber, mais a fundo, a nossa própria identidade, está desaparecendo!...

 

E todos nós, sem exceção, somos responsáveis!

 

Enquanto efetuávamos este percurso, sob ainda uma intensa chuvada,

19.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (40)

não parava de nos azucrinar aos ouvidos as palavras do nosso Torga quando também entrámos na Geira [uma via romana, nome dado à Via XVIII do Itinerário Antonino, que era uma estrada militar construída, provavelmente, no último terço do séc. I d. C., ligando Bracara Augusta (Braga) a Asturica Augusta (Astorga, em Espanha). Um dos troços melhor conservados situa-se neste Parque Nacional, entre Campo do Gerês e Portela do Homem. Nesse percurso é possível obervar vestígios arqueológicos, tais como os marcos miliários (que assinalavam a milha romana, em grande parte epigrafados), ruínas de pontes, mutatios (estações de muda) e mansions (locais de descanso, mas que foram cobertos pelas águas da albufeira de Vilarinho da Furna)].

21.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (52)

Era um destes,

22.- 2009 -  Geira Romana(sony) 010

de entre muitos marcos, gravados e delidos, de que o poeta nos fala;

22a.- 800px-Trilho_da_Águia_do_Sarilhão_(4742862788)

era esta uma das muitas pontes - a Ponte de Eixões -

23.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (120)

(Perspetiva I)

24.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (121)

(Perspetiva II)

25.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (125)

(Perspetiva III)

dos romanos, a quem ele chama de palermas.

 

Percebe-se a ironia do nosso poeta. É bem verdade que paralela a esta via, corre uma outra bem mais larga! Mas estes vestígios aqui estão, dando prova do que foi a civilização romana por estas bandas e a luta tremenda dos povos autóctones na defesa do seu rincão.

 

Por todo o lado, enquanto caminhávamos, a constância do carvalho,

26.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (49)

da pedra e do verde,

27.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (56)

nas suas mais variadas situações.

28.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (74)

Agora percorremos o trilho em pleno asfalto.

29- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (58)

E aqui parámos, recolhendo-nos junto a este observatório de aves.

30.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (60)

Tendo aliviado um bocadinho a chuva, começámos a tirar fotos à albufeira/cemitério do lugar de uma comunidade,

31.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (61)

tendo à nossa frente a serra Amarela,

32.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (67)

correndo por ela um regato que, na aproximação ao lago artificial, nele se esvai em cascata.

33.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (68)

Mais um pouco, ao fundo, o paredão, em betão armado.

34.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (83)

Agora, nosso destino era a aldeia de Campo do Gerês. O verde sempre em nossa perseguição.

35.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (90)

Entrámos na aldeia.

36.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (94)

E deixamos aqui 5 cenários da mesma e do seu entorno:

37.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (95)

(Cenário I)

38.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (98)

(Cenário II)

39.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (103)

 (Cenário III)

40.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (106)

(Cenário IV)

41.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (112)

(Cenário V)

A saída da aldeia foi um pouco problemática por causa da sinalização deficiente e de árvores caídas. Mas conseguimos sair em direção ao nosso ponto de partida, por entre o verde

42.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (117)

e as constantes correntes de água,

43.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (115)

passando por uma área recreativa, com escola de equitação, nas proximidades da Porta.

44.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (142)

E, pasme-se, aqui fomos encontrar uma antiga aluna - Ana Sofia Machado - do Curso de Licenciatura em Recreação, Lazer e Turismo, aqui a trabalhar.

44a.- 20180410_175356

Pastagens,

45.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (154)

e, como não podia deixar de faltar, uma legítima representante da raça barrosã, olhando-nos altiva, do alto do seu pasto.

46.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (143)

É indubitável que esta zona de Terras de Bouro está sendo recuperada para o turismo cultural e de naturaza.

 

E gostamos da forma como a construção é feita, aliando o aspeto arquitetónico com os nateriais endógenos - o granito.

47.- 2018.- Vila do Gerês+Trilho Águia do Sarilhão (157)

 Dados técnicos:

48.- IMG-20180622-WA0000

Distância e horas gastas a percorrer o trilho.

49.- Trilho Águi

Velocidade e elevação do trilho.

(*) Cruzeiro de São João do Campo 


O cruzeiro de Campo do Gerês, levantado num cruzamento de estradas da localidade, resulta do aproveitamento de um marco miliário romano do século III, facto curioso, mas ainda assim frequente ao longo das vias romanas. O miliário assinala a milha XXVII (desde Braga) da Geira ou Via Nova, ligando Braga (Bracara Augusta) a Astorga (Asturica), passando pelo Gerês. A Geira é a via romana melhor preservada em Portugal, contando com uns inéditos 230 miliários ao longo do seu percurso total; nas proximidades deste cruzeiro ergue-se ainda outro marco da mesma via, visível na berma da estrada. De resto, toda a região é abundante em vestígios de construções romanas, como pontes, vários padrões, e algumas ruínas de fortificações fronteiriças. Erguido durante a governação do Imperador Décio (249-251), o marco, epigrafado e de secção circular, exibe a seguinte inscrição latina: IMP CAES / G MISSO TR / DACO NVTO / PIO FEL AVG / P MAX TR P / PC IIII C II / P C A BRAC / M P / XXVII. Levanta-se actualmente sobre uma larga plataforma de três degraus circulares, baixos, sendo o conjunto abrigado por uma cobertura triangular em zinco vermelho, forrada a madeira no interior, e assente sobre três colunas dórico-romanas, com ligeira entasis. O crucifixo assenta directamente sobre o marco, sendo composto por uma cruz latina em granito, pintada num ocre terroso, onde figura um Cristo ingénuo e de proporções um pouco atarracadas.SML [Património Cultural (Direção-Geral do Património Cultural)]


publicado por andanhos às 09:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

.Dezembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

.arquivos

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.links

.StatCounter


View My Stats
blog-logo