Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

andanhos

05
Fev16

Reino Maravilhoso - Património em ruínas:- Solar dos Montalvões/Outeiro Seco-Chaves

andanhos

 

 

REINO MARAVILHOSO - ALTO TÂMEGA E BARROSO

 

PATRIMÓNIO EM RUÍNAS
O SOLAR DOS MONTALVÕES EM OUTEIRO SECO/CHAVES


Não está nos nossos intentos fazer aqui uma completa e intensa reportagem, quer sobre a origem deste solar, quer, pela passagem do tempo, do estado de degradação a que chegou.

 

Não pretendemos também lançar culpas a seja quem for, embora seja nossa convicção que - quanto ao estado a que chegou - haja pessoas e instituições mais responsáveis que outras.

 

Nosso desiderato - nas fotos que vamos apresentar - representa mais um «grito d’alma», mais um chamar de atenção para que - todos - nos consciencializemos para a importância da conservação e preservação do nosso património. Em suma, nossa atitude pretende ser mais pedagógica que acusatória.

 

Nestas questões do património e da sua ruína, não poderíamos estar mais de acordo com Vítor Serrão no Prefácio ao pequeno livro «Portugal em ruínas», de Gastão de Brito e Silva quando, a dado passo, afirma:


Estas arquiteturas destroçadas que a imagem regista e sintetiza com resíduos da sua vã glória passada deixam pressentir quase como uma recusa orgulhosa de partirem em paz, entre a longa indiferença geral, diluindo-se entre silêncios na profundeza da longa noite das des-memórias: porque em Portugal [...] «é preciso deixar que à memória coletiva mais recente caia a tinta, apodreça o teto, enferrujem as dobradiças e os carris, corroa a erva daninha, se partam com o vento as vidraças; Portugal [e, consequentemente, os flavienses] não quer[em] recordar nem quer[em] ver aquilo que foi [foram] ontem, ainda ontem, há bocadinho, e quando aceita[m] fazê-lo, esconde[m] com vergonha e o remorso debaixo da estatística [...]» . Foi assim e continua a ser assim: desdobra-se um rosário de misérias, de coisas mal conformadas com a sua triste sorte mas que enfrentam o desaparecimento, sem remédio, de ruínas que abrem uma amarga sensação de desleixo e de impotência - como estas imagens para o dizerem, na sua crueza [já] de cinzas”.

01.- AZS_7859.jpg

 (Um dos aspetos exteriores do Solar)

01a.- AZS_1672.jpg

(O velho e desolado forno)

02.- AZS_7898.jpg

(Um outro aspeto exterior do Solar)

02a.- AZS_1668.jpg

(O silvedo tomando conta do edifício)

03.- AZS_7896.jpg

(Os seus «pergaminhos» - o brasão)

04.- AZS_7863.jpg

(Entrando na capela - A desolação do seu interior, a começar pelo altar)

04a.- AZS_7886.jpg

(Bem assim a sua bonita traça, já praticamente inexistente)

05.- AZS_7866.jpg

(O teto da capela, foi-se...)

06.- AZS_7871.jpg

(Tulhas do centeio, contíguas à capela, praticamente a céu aberto)

07.- AZS_7872.jpg

(Ontem já não fomos encontrar esta passagem,)

07a.- AZS_1743.jpg

(Tudo, em menos de um mês, desabou!)

08.- AZS_7875.jpg

(O recinto e a entrada principal do Solar estão neste estado)

08a.- AZS_1719.jpg

(Tudo o resto é destruição, onde já não se pode entrar, como na cozinha,)

08c.- AZS_1738.jpg

(Bem assim nesta)

08b.- AZS_1729.jpg

(E noutras outras dependências daquela que foi uma Casa)

09.- AZS_7891.jpg

(A imponente chaminé do Solar vista por um «janeluco» do alto muro do Solar)

10.- AZS_7907.jpg

(Uma triste desolação, um verdadeiro «calvário»)

 

O que acabámos de apresentar representa, sem sombra de dúvida, um crime de lesa-património, tão próprio e característico de um país que, genericamente, dá, constantemente, um exemplo triste e esclarecedor de uma senha descontrolada de anti-património.

 

E o exemplo que acabámos de ilustrar é tanto mais grave quanto, de mãos particulares passaram para a autarquia flaviense; da autarquia flaviense para a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) (mais propriamente, de Vila Real) para, finalmente, por falta de cumprimento à palavra dada por banda da UTAD, em construir no Solar e Quinta anexa um verdadeiro Pólo da UTAD em Chaves (mas também com responsabilidades de certos governantes a nível central e outras cumplicidades ou outros interesses autárquicos), voltar, de novo, para as mãos do município flaviense.

 

Ontem fomos ao local fazer-lhe mais uma visita. E mais uma trave-mestra de uma dependência caiu, como acima reportamos, e fez ruir mais uma estrutura.

 

Mas, sinceramente, a par desta degradação, o que igualmente nos confrangeu foi o estado dos terrenos da ora «Quinta», integrante do Solar. Um Solar de «pergaminhos» com os seus terrenos postos à pressão de interesses vários, como se de um verdadeiro loteamento se tratasse, transformada agora numa verdadeira montureira. Um verdadeiro escândalo em termos ambientais!

 

E dizer-se que, tudo isto, sob o patrocínio e/ou responsabilidade da atual Câmara Municipal!

 

Quando acabamos com esta onda de descaracterização, de desleixo e de abandono do nosso património? E sabermos preservar como esta peça do «calvário» de Outeiro Seco?...

11.- AZS_7909.jpg

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Com autorizaçao de quem é que escreveu este post?

  • Pedro Neves

    Bom dia António,reparámos, aqui na equipa, que esg...

  • maiordesessenta

    Passear por aqui proporciona sempre momentos de ap...

  • Viagens no tempo

    Bom dia António,Ficou óptimo!Um abraço e Bom Ano,B...

  • Anónimo

    Olá, Mena,Ainda bem.Bj.

A espreitar

online

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
blog-logo