Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

andanhos

27
Jan16

REINO MARAVILHOSO - BARROSO:- Contrastes

andanhos

 

 

REINO MARAVILHOSO - BARROSO:- Contrastes


No último Diário de Miguel Torga, a 1 de setembro de 1990, o autor escrevia, em Montalegre, assim:


Eram jovens, abordaram-me, gostavam do que escrevi, e queriam saber coisas de mim. Qual era o meu segredo?
- Ser idêntico em todos os momentos e situações. Recusar-me a ver o mundo pelos olhos dos outros e nunca pactuar com o lugar-comum”.

 

Numa duas suas habituais vindas às Caldas de Chaves para se curar dos seus achaques, e numa das muitas deslocações que fazia à região, a 29 de agosto de 1991, em Travassos do Rio, Montalegre, desabafava:


Notabiliza este lugar um baixo-relevo na torre sineira a figurar a cabeça de um toiro, que foi campeão invencível nas turras do seu tempo e os habitantes, ufanos de tanta valentia, quiseram perpetuar.
Vou rememorando: Cornos das Alturas, Cornos da Fonte Fria, Tourém, Pitões.
Era assim antanho. Por todo o lado a mesma obsessão a tutelar as consciências. O mal é que o povo, em meia dúzia de anos, deixou apagar nos olhos a imagem viril, e perdeu a identidade. O Barroso de hoje é uma caricatura. Sem força testicular, fala francês, bebe Coca-Cola, deixou de comer o pão de centeio do forno comunitário, assiste a chegas comerciais, em campos de futebol, com bilhetes pagos e animais alugados. É um nédio boi capado”.


Por outro lado, no dia 1 de setembro de 1991, de Alturas do Barroso, escrevia:


“Incansavelmente atento às lições do povo, venho, sempre que posso, a este teto do mundo português, admirar no adro da igreja, calcetada de lousas tumulares, o harmonioso convívio da vida e da morte. Os cemitérios atuais são armazém de cadáveres desterrados da nossa familiaridade, lacrimosamente repelidos do seio do clā mal arrefecem, cada dia menos necessários, no progressivo esquecimento, à salutar perceção do que significam na dobadoira do tempo. Ora, aqui, cada paroquiano pisa, pelo menos dominicalmente, a sepultura dos ancestrais, e se liga a eles, quase organicamente. Vive, numa palavra, referenciado. Sabe que tem presente porque houve passado, e que, mais cedo ou mais tarde, enterrado ali também, será para os descendentes consciência e justificação do futuro”.

 

Volvidos 25 anos desta escrita tão contrastante, que Barroso ainda sobra?

 

Periodicamente - ou anualmente nas suas festas - percorremo-lo. Procuramos o quê num território hoje tão contraditório?... O espírito do lugar? a nossa traça celta?


Infelizmente, já nem o Barroso, encravado nas suas montanhas, e sob a proteção do deus Larouco, nos dá argumentos para irmos à procura da nossa identidade, justificando as nossas opções de futuro.

 

Hoje temos a sensação que o percorremos - tal qual via-sacra -, dobrados sobre uma cultura que já não é a nossa, carregando a cruz de uma existência emprestada, que há muito deixou de ser genuína.

 

Nestes contrastes barrosões, apenas resta uma natureza também ela contrastante: de uma terra agreste e dura,

AZS_9719.jpg

de penedias

AZS_9702.jpg

e invernos prolongados, surge, nos seus curtos vales,

AZS_9682.jpg

terras fartas,

AZS_9622.jpg

lembrando-nos a fartura que nunca falta

AZS_9662.jpg

a gentes habituados ao pouco.

AZS_9627.jpg

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Com autorizaçao de quem é que escreveu este post?

  • Pedro Neves

    Bom dia António,reparámos, aqui na equipa, que esg...

  • maiordesessenta

    Passear por aqui proporciona sempre momentos de ap...

  • Viagens no tempo

    Bom dia António,Ficou óptimo!Um abraço e Bom Ano,B...

  • Anónimo

    Olá, Mena,Ainda bem.Bj.

A espreitar

online

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
blog-logo