Quarta-feira, 20 de Maio de 2015

Por terras e aldeias de Portugal - Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões

 

 

UMA BREVE VISITA AO MOSTEIRO DE S. CRISTÓVÃO DE LAFÕES

 

No sítio oficial da Câmara Municipal de São Pedro do Sul, a certa altura, podemos ler: “A serra da Gralheira é um maciço que começa a elevar-se a partir das margens do rio Baroso, onde se situa o antiquíssimo «Real Mosteiro de São Cristóvão de Lafões», remontando a sua origem a um período anterior à fundação da nação, e num local, onde a proximidade com os elementos da natureza faz estimular as virtudes do espírito”.

 

Raul Proença, no «Guia de Portugal», 3ª edição, 3º Volume: Beira: II Beira Baixa e Beira Alta (1984), a páginas 760, diz-nos: “(...) afundada em verdura, jaz a velha trapa de S. Cristóvão de Lafões.

Fundou-o em 1122 o bispo do Porto D. João, para monges de S. Bento. D. Afonso Henriques doou-o aos cistercienses. O primitivo edifício consumiu-o um grande incêndio e mais recentemente (1943) um outro incêndio devorou uma grande área das matas que o envolviam, chegando as chamas a lamber as paredes do velho pardieiro conventual.

O sítio é duma sombria e selvática beleza (...)”.

 

Deixamos aqui aos nossos(as) leitores(as) meia dúzia de fotos tiradas aquando da visita que efetuámos, depois de um repasto típico «à Lafões»,

01.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

 no Restaurante «O Solar», em Oliveira de Frades.

02.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

As leis de 1834, de Mouzinho da Silveira (1780-1849), culminaram com a nacionalização de uma larga percentagem dos bens de raiz eclesiásticos e consequente alienação do património da Igreja, com o respetivo exclausuramento das Ordens Religiosas. A este Mosteiro aconteceu-lhe o mesmo, indo parar a mãos particulares.

Apesar de particular, é possível a sua visita, pagando uma modesta «propina». Basta tocar à campainha e uma senhora, encarregada das instalações, abre-nos o portão

03.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

e entramos no recinto que dá acesso ao mosteiro

04.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

e que integra uma unidade de turismo rural.

05.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

O que mais nos encantou foi uma azálea branca

06.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

no claustro.

 

07.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

Das suas dependências, o refeitório,

08a.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

um bonito recanto com mobília e «bibelots» de outras eras,

09.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

um crucifixo,

10.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

um Santo António

11.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

e duas imagens de S. Cristóvão em estilos bem diferentes uma

13.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

da outra.

12.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

Na saída do Mosteiro, não deixámos de olhar para um pequeno espigueiro e uma azálea florida que quase o cobria por inteiro.

14.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

Saímos do Mosteiro para visitar a igreja. Mas não nos foi possível nela entrar, por se encontrar em obras. Fica-nos apenas três aspetos exteriores da mesma: um, da sua frontaria principal com um pequeno cemitério, de frente, no seu lado direito;

15.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

outro, de um ângulo à saída do Mosteiro

16.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

e, finalmente, um outro do seu campanário.

17.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

A paisagem é mágica, recheada de espécies autóctones – carvalhos, loureiros, castanheiros, aveleiras,

18.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

e ainda pontuada pela genialidade dos monges de Cister: o Aqueduto das Águas Reais,

19.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

construído para levar a água ao mosteiro, desde a mãe-de-água.

20.- S. Cristóvão de Lafões.jpg

Embora o lugar convidasse a uma maior estadia, estivemos aqui o tempo estritamente necessário de uma rápida visita. Nosso objetivo principal de hoje era «Rumo à aldeia da Pena».


publicado por andanhos às 13:37
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Memórias de um andarilho ...

. Reino Maravilhoso - Barro...

. Versejando com imagem - S...

. Por terras da Gallaecia -...

. Ao Acaso - Caminhar...

. Palavras Soltas... Maria ...

. Versejando com imagem - F...

. Versejando com imagem - F...

. Palavras Soltas... O mund...

. Reino Maravilhoso - Douro...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.links

.StatCounter


View My Stats
blog-logo