Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

andanhos

andanhos

Por terras e aldeias de Portugal - Maciço da Gralheira V

 

 

MACIÇO DA GRALHEIRA

 

V PARTE

(Interlúdio - entre o PR 14 e o PR7 - no Geoparque de Arouca)

 

 

Falemos do fim do dia em que fizemos o PR 14 - Aldeia Mágica (Regoufe-Drave).

 

Vindos de Regoufe, de imediato, dirigimo-nos ao alojamento que tínhamos previamente feito reserva, um pouco afastado do bulício da vila de Arouca, em quase pleno meio rural,

00a.- Arouca QN.jpg

num ambiente aberto, arejado e familiar.

00b.- Arouca QN.jpg

Tomado o banho e descansado um bocadinho, enquanto víamos as fotos que tínhamos tirado no percurso desse dia, saímos do quarto para irmos jantar à vila.

 

Na receção trocámos umas impressões, quer com a rececionista, quer com o proprietário do alojamento, bem assim com um colaborador que presta serviços na unidade de alojamento no que concerne ao planeamento e desenvolvimento de atividade de animação de natureza na área do Geoparque de Arouca.

 

E, conversa puxa conversa, sempre lhes fomos dando conta de quais eram os nossos projetos quanto à passagem de dois dias por terras de Dona Mafalda: que tínhamos decidido fazer dois percursos pedestres - um, já feito, o PR 14 (Aldeia Mágica); o outro, o PR 7 (Nas Escarpas da Misarela) para o dia seguinte.

 

O técnico de animação olhou para os três, principalmente para os dois mais velhos, e sempre nos foi dizendo que o PR 7 não era «flor que se cheire», que não era empreitada para toda a gente, e que tinha as suas dificuldades. Percebemos perfeitamente o «recado». E mudámos de «registo» de conversa, dizendo: “nós apenas gostaríamos chegar de perto da queda da Frecha da Misarela e da cascata da ribeira de Castanheira”. Mostrámos-lhe o mapa que tínhamos da zona e o mapa do percurso, interiorizando as indicações alternativas que o animador nos ia dando, evitando fazer, desta feita, o percurso completo, também de oito quilómetros, mas de dificuldade média/alta que, de acordo com a Ficha Técnica do respetivo panfleto, demora a percorrer três horas e meia. E, ali, combinámos os três então a alternativa que teríamos de efetuar do percurso pedestre do dia a seguir.

 

Depois, partimos do alojamento para Arouca para jantarmos. Não no «Parlamento» ou na «Assembleia», mas numa dita «tasquinha» que nos indicaram, onde também se comia bem a célebre vitela arouquesa.

 

Estacionámos a carrinha nas proximidades onde pretendíamos jantar;

01.- Arouca à noite.jpg

observámos um solar

02.- Arouca à noite.jpg

e uma capela ao lado;

03.- Arouca à noite.jpg

uma sugestiva casa, numa rua mais acima,

03a.- Arouca à noite.jpg

e, mais abaixo, um recanto castiço

04.- Arouca à noite.jpg

e uma casa, com este pormenor «rural»,

05.- Arouca à noite.jpg

nas proximidades do Restaurante, que afinal não era uma tasquinha, mas cujo nome era «Tasquinha da Quinta».

07.- Arouca à noite.jpg

Enquanto nos entretínhamos a tirar umas fotos, Florens e Achim, à entrada, viam a ementa e esperavam que chegássemos junto deles.

08.- Arouca à noite.jpg

Entrámos.

09.- Arouca à noite.jpg

Consolámo-nos com o naco de vitela arouquesa que nos serviram.

 

Satisfeitos e bem comidos, enquanto o Florens punha a sua conversa em dia, grudado no telemóvel, quer nós, quer o Achim fomos dar uma volta pelo arruamento principal de Arouca.

10.- Arouca à noite.jpg

Vimos os seus mais emblemáticos edifícios, como o mosteiro, com o seu portão de entrada,

11.- Arouca à noite.jpg

 e, deste portão, o pormenor de uma entrada de acesso ao Mosteiro,

12.- Arouca à noite.jpg

a Igreja da Misericórdia e o anfiteatro que lhe fica de frente

13.- Arouca à noite.jpg

e o jardim anexo ao mosteiro, com o lago e a estátua da rainha D. Mafalda.

14.- Arouca à noite.jpg

Por fim, acabámos por nos deslocar para o alojamento para dormirmos pois, no outro dia, tínhamos pela frente mais uma caminhada, e esta, pelos vistos, digna de respeito.

 

Durante o percurso para o alojamento, Achim referiu-nos a boa impressão com que tinha ficado de Arouca, com o seu centro emblemático urbanisticamente bem tratado.

 

Deitámo-nos e dormimos como anjos, tal foi o desabafo unânime enquanto tomávamos o pequeno-almoço,

15.- Arouca QN.jpg

no meio de um clima rural, de paz e perfeita tranquilidade.

16.- Arouca QN.jpg

Feitas as despedidas ao nosso anfitrião, tomámos a direção de Arouca, passando por Santo António, com o seu Memorial (românico),

17.- Arouca QN.jpg

evocando a morte e a passagem do corpo de Dona Mafalda por estas paragens. 

 

E dirigimo-nos para a serra da Freita.

18.-Placa Geoparque.JPG

Mais sobre mim

imagem de perfil

StatCounter


View My Stats

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar
blog-logo

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

A espreitar

online