Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

andanhos

15
Dez19

Por terras da Ibéria - O souto do Santuário da Virgem de La Alcobilla

andanhos

 

POR TERRAS DA IBÉRIA

 

O SOUTO DO SANTUÁRIO DA VIRGEM DE LA ALCOBILLA

00.- 2019.- La Alcobilla (251)

Há dois anos, andando com o amigo Pablo Serrano e sua família, e o Florens, pelo norte de Espanha, província de Léon, percorrendo as terras vermelhas e laranja, provenientes das cicatrizes feitas nas entranhas da terra para extração do minério, feita pelos romanos, há mais de dois mil anos – em Las Médulas – enquanto fazíamos um pequeno percurso pedestre – Senda de las Valiñas (4 Km’s) – com os seus bons e bonitos castanheiros em período outonal, depois de termos estado no Miradouro de Orrellán, veio à conversa o souto do Santuário da Virgem de La Alcobilla.

 

Ficámos com curiosidade de o visitar. Mas, nem nesse ano, nem o ano passado, tivemos oportunidade de o fazer. Contudo, a curiosidade e o desejo de irmos a La Alcobilla ficou na nossa agenda de prioridades.

 

De há uns tempos a esta parte, instava Pablo para irmos até lá. Só que, apesar da vontade de ambos, a meteorologia, durante o mês de outubro, e parte de novembro passado, – com frio e neve – não nos propiciou o levarmos por diante o nosso intento.

 

Até que, certo dia, Pablo chama-nos para, finalmente, nos deslocarmos a La Alcobilla vermos o tão falado souto.

 

Acompanhou-nos, naquele dia, o amigo H. Raval.

 

Temos de esclarecer que este afamado souto fica no recinto de um Santuário – o Santuário da Virgem de Alcobilla.

01.- 2019.- La Alcobilla (180)

Santuário este que fica no município de San Justo, que é constituído por um conjunto de povoações ou lugares (e lugarejos), distribuídos montanha acima até à Serra de la Cabrera, em terras zamoranas de Sanábria (Espanha), a pequena distância do Parque Natural do Lago de Sanábria e Serras Segundera e do Porto, situando-se num cruzamento de caminhos que levam às povoações de San Justo, cabeça do município, Coso, Barrio de Rábano e Rábano de Sanábria.

 

Neste Santuário

02.- 2019.- La Alcobilla (198)

celebra-se, nos dia 8 e 9 de setembro de cada ano, uma das romarias mais importantes de toda a comarca de Sanábria, a qual conta com a participação da comunidade de San Justo, Barrio de Rábano e Rábano de Sanábria.

No dia 8, do povo de San Justo, sai a Virgem da Assunção; do Barrio de Rábano, a Virgem Peregrina e do Rábano de Sanábria, a Virgem do Rosário. Cada povo, com o seu pendão e estandartes, em procissão, e levando no andor a sua Virgem, sobe, ao ritmo das gaitas autóctones (sanabresas) e tambores, para honrar, na ermita, a Virgem de La Alcobilla.

 

Trata-se de uma festa tradicional, que vale a pena, pelo que vimos escrito e em vídeo, ao menos uma vez na vida, presenciar e, porque não, participar.

 

Deixamos aqui aos nossos leitores dois vídeos desta festa/romaria para poderem aquilatar da importância deste evento para os povos que nele são os atores principais e para todos aqueles (sanabreses ou não) que ali vão venerar a Virgem de La Alcobilla.

 

 VIRGEN ALCOBILLA 2019, SAN JUSTO DE SANABRIA

ROMERIA VIRGEN ALCOBILLA, RABANO DE SANABRIA

Não deixem, depois da Missa Solene, de apreciarem e saborearem, à sombra daqueles anciãos castanheiros,

03.- 2019.- La Alcobilla (25)

o célebre polvo à galega, ou não estivéssemos nós aqui tão perto da vizinha Galiza.

 

E dancem aos som das gaitas e dos tambores.

SANABRIA ALCOBILLA 2011

No dia 9, com igual cerimonial do dia anterior, as imagens das Virgens saem do Santuário

04.- 2019.- La Alcobilla (34)

em direção a cada um do seu povo.

 

A ermida ou Santuário da Virgem de La Alcobilla foi construída entre os séculos XVI e XVII, muito provavelmente, sobre edificações anteriores, onde, aqui, já se praticavam cultos.

05.- 2019.- La Alcobilla (255)

Segundo Ángel Esparza Arroyo, referido por Javier Bascu, em 5 de setembro de 2017, em «Virgen de La Alcobilla, Madre de Amores», este lugar, muito provavelmente, foi habitado desde o século VI a.C, tendo em vista os mais de 30 assentamentos encontrados entre Sanabria e Carballeda.

 

A igreja tem uma planta basilical, de três naves, destacando-se a do centro pela sua maior altura. É românica; contudo, o seu campanário é barroco, do século XVIII.

06.- 2019.- La Alcobilla (250)

No centro do altar está uma imagem, talhada em pedra, da Virgem e o Menino, cuja réplica podemos contemplar na fachada exterior principal da nave central.

07.- 2019.- La Alcobilla (46)

Antes de passarmos a apreciar os espécimes espalhados no souto, à volta do Santuário, dois últimos apontamentos.

 

O primeiro tem a ver com o nome de «Alcobilla».

 

Ainda, segundo «Virgen de La Alcobilla, Madre de Amores», há várias versões a propósito do nome, mas, apenas duas, praticamente idênticas nos são relatadas – a do pastor e a do lavrador. Fiquemos com a do pastor e deixemos a do lavrador. Trata-se, obviamente, de lendas. Mas é também a partir das lendas que a História se tece. Ou seja, os mais antigos transmitiram às gerações futuras que, desde tempos imemoriais, se conta que um pastor encontrou a imagem da Virgem debaixo (ou entre) as giestas (escobas). Nesse mesmo lugar, pelos vistos abundante em giestas, foi erguida uma eremita para a Virgem encontrada pelo pastor, a que lhe derem o nome de La Escubilla. Com o decorrer do tempo, como aliás acontece a muitos vocábulos, Escubilla derivou para Alcobilla.

 

O segundo apontamento tem a ver com a fonte existente no souto ou recinto do Santuário.

08.- 2019.- La Alcobilla (217)

Transcrevemos o relato de Ildefonso Vara, na sua Aula Ativa da Natureza, San Martín de Castañeda, Sanabria (Zamora), coligido por D. Pedro Ladoire, e que nos fala da origem milagrosa de um manancial, ou fonte, durante a construção da ermita:

Cuentan que en lejana época, durante la edificación del Santuario de Nuestra Señora de la Alcobilla próximo al pueblo de San Justo, la pizarra para dicho Santuario era transportada desde la cúspide del Testero Ciudad, inmediato a San Ciprián. Aquel trabajo rudimentario de transportar las losas, combinado con un insoportable calor, obligaba a los obreros a abastecerse de agua en el Río Trefacio, a 500 metros de desnivel de considerable inclinación, lo que resultaba agotador.

 

Rogaron entonces a la Virgen resolviera tan acuciante problema porque su deseo era terminar cuanto antes la construcción de la ermita, y aseguran que el milagro se realizó ya que en el lugar de la cantera, al levantar una piedra, brotó un potente surtidor de aguas fresquísimas. Desde esta fecha se denomina La Fuente de la Virgen”.

 

Estamos com o blogue «Desde Sanabria (Igual Te interessa) - Los Castaños de Nuestra Señora de la Alcobilla», cujo post foi publicado em 1 de agosto de 2009, quando nos diz que pese embora o interesse pela igreja/Santuário da Virgem de La Alcobilla, os verdadeiros monumentos encontram-se ao seu redor – a impressionante plantação de castanheiros antigos.

09.- 2019.- La Alcobilla (236)

Já, por outro lado, não sabemos se havemos de concordar com o autor deste mesmo blogue, quando nos afirma que os exemplares mais antigos têm entre 1700 e 1800 anos de idade.

 

Mostram-se alguns deles:

10.- 2019.- La Alcobilla (50)

(Exemplar I)

11.- 2019.- La Alcobilla (102)

(Exemplar II)

12.- 2019.- La Alcobilla (110)

(Exemplar III)

13.- 2019.- La Alcobilla (125)

(Pormenor do exemplar III)

14.- 2019.- La Alcobilla (92)

(Exemplar IV)

15.- 2019.- La Alcobilla (100)

(Exemplar V)

16.- 2019.- La Alcobilla (133)

(Exemplar VI – Perspetiva 1)

17.- 2019.- La Alcobilla (74)

(Exemplar VI – Perspetiva 2)

18.- 2019.- La Alcobilla (211)

(Exemplar VI – Perspetiva 3)

19.- 2019.- La Alcobilla (109)

(Exemplar VII)

20.- 2019.- La Alcobilla (16)

(Exemplar VIII)

21.- 2019.- La Alcobilla (167)

(Exemplar IX)

22.- 2019.- La Alcobilla (190)

(Exemplar X)

23.- 2019.- La Alcobilla (265)

(Pormenor do exemplar X)

 

Se não contestamos que o castanheiro tenha vindo da Ásia Menor para a Península Ibérica pelas mãos dos romanos, já, por outro lado,  ficam-nos sérias dúvidas que, alguns deles, remontem ao tempo do Imperador Diocleciano, o último grande perseguidor dos cristãos.

 

Cremos ser mais «cautelosa» a informação afixada no placar informativo, nas redondezas do recinto/souto do Santuário, quando nos diz que o conjunto dos castanheiros de La Alcobilla é composto principalmente por castanheiros centenários, alguns catalogados com mais de 900 anos.

24.- 2019.- La Alcobilla (224)

É pena que esta informação seja tão escassa pois, dado os instrumentos e os recursos existentes hoje em dia, quer pela ciência, quer pela tecnologia, seria de todo interessante saber-se exatamente a idade de cada um deles e, cada um deles, estar devidamente identificado. Particularmente aqueles que estão na cabeceira da Igreja/Santuário,

25.- 2019.- La Alcobilla (131)

(Perspetiva I)

25a.- 2019.- La Alcobilla (73)

(Perspetiva II)

25b.- 2019.- La Alcobilla (210)

(Perspetiva III)

e nas suas fachadas laterais,

26.- 2019.- La Alcobilla (202)

(Perspetiva I)

26a.- 2019.- La Alcobilla (205)

(Perspetiva II)

26b.- 2019.- La Alcobilla (235)

(Perspetiva III)

porquanto os que estão em frente da fachada principal, ainda segundo o mesmo placar informativo, não têm mais de 25 anos, são de propriedade privada e a sua função é mesmo a produção de castanha.

 

Do que já vamos conhecendo da Sanábria - em San Román, Vime, Rozas, Linarejos, entre outras povoações da Sanabria e Carvalleda -, há, manifestamente, muitos castanheiros que podem disputar a antiguidade aos mais velhos de La Alcobilla. Todavia, são árvores isoladas e não este conjunto monumental que La Alcobilla nos oferece.

 

O mesmo acontece em Portugal, no lugar de Vales, Treminas, Trás-os-Montes, (sítio onde os romanos fizeram exploração e extração de ouro) em que um castanheiro, com cerca de mil anos, e com 14 metros de perímetro no tronco e 21 metros de altura, foi eleito como a árvore para representar Portugal no concurso «Árvore Europeia do ano de 2020».

27.- Castanheiro de Vales, Tresminas

Foi uma manhã magnífica a que, no passado dia 21 de novembro, com um dia bonito de sol, usufruímos neste lugar de La Alcobilla, na sempre agradável e apreciada companhia de Pablo Serrano e H. Raval.

 

Para quem esteja interessado(a) em explorar um pouco mais este tema, deixamos aqui, entre muitos outros, os seguintes links:

 

Para finalizar este nosso post, deixamos à visualização dos nossos leitores(as) estes dois «deliciosos» vídeos, de Valentín E. S. B., Sanabria Mágica, In memoriam, de outubro de 2017,

 

SANTUARIO DE LA ALCOBILLA DESDE EL CIELO

UN PASEO OTOÑAL POR LA ALCOBILLA (SANABRIA)

e, obviamente, a imagem da Virgem de La Alcobilla.

28.- PicsArt_10-03-02.28.15

2 comentários

Comentar post

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Com autorizaçao de quem é que escreveu este post?

  • Pedro Neves

    Bom dia António,reparámos, aqui na equipa, que esg...

  • maiordesessenta

    Passear por aqui proporciona sempre momentos de ap...

  • Viagens no tempo

    Bom dia António,Ficou óptimo!Um abraço e Bom Ano,B...

  • Anónimo

    Olá, Mena,Ainda bem.Bj.

A espreitar

online

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
blog-logo