Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

andanhos

08
Jan20

Ocasionais - Miguel de Unamuno e Sanábria - Valverde de Lucerna

andanhos

 

OCASIONAIS

 

UNAMUNO E SANABRIA

 

VALVERDE DE LUCERNA  

Laguna dos Peces e Lago de Sanabria (GOPRO) (21)

No sítio «San Manuel Bueno, mártir», escrito por Abel Sánchez, em El Rincón de Sanabria, este autor refere-nos que há um famoso livro que fala sobre Valverde de LucernaSan Manuel Bueno, mártir – de Miguel de Unamuno.

 

Unamuno mostra-nos, através desta novela, um espaço no qual assentam os símbolos chave da dialética entre fé e dúvida, o lago, a montanha, a neve, a aldeia submersa.

 

A novela contém duas paisagens: uma, natural – a aldeia de Valverde de Lucerna; outra, espiritual, a aldeia que, segundo a lenda, está submersa no Lago de Sanabria. A paisagem natural é símbolo da vida real e terrena, embora a segunda nos mostre o desejo ou anseio da imortalidade.

 

Miguel de Unamuno escreveu esta obra em 1930, quando estava hospedado no Balneário de Bouzas, localizado num lugar emblemático, embora recôndito, nas margens do Lago.

zamora-sanabria-balneario-bouza-2

As impressionantes vistas deste «enclave» cativaram e inspiraram Miguel de Unamuno, numa altura em que vivia um profunda crise de fé.

 

Deixamos aos nossos (as) leitores(as) uma das duas poesias que Unamuno, o grande amigo e apreciador de Miguel Torga, escreveu logo que que este bilbaíno se hospeda em Sanabria.

 

Se bem que «Valverde de Lucerna» assente profundamente na lenda da aldeia de Valverde submersa,

para nós, contudo, parece-nos premonitória ao trágico evento que, cerca de 29 anos depois, haveria de acontecer com o colapso da barragem de Veja do Tera, a 9 de janeiro de 1959, e que, quase por inteiro, a mole das suas águas revoltas, submerge no Lago grande parte das gentes de Ribadelago (144 vítimas mortais, das quais só se recuperaram 28 corpos).

 

Ay, Valverde de Lucerna,

hez del lago de Sanabria,

no hay leyenda que dé cabría

de sacarte a luz moderna.

Se queja en vano tu bronce

en la noche de San Juan,

tus hornos dieron su pan,

la historia se está en su gonce.

Servir de pasto a las truchas

es, aun muerto, amargo trago;

se muere Riba del Lago,

orilla de nuestras luchas.

Miguel de Unamuno

1 comentário

Comentar post

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Gostei muito da descrição. Faço só o reparo em rel...

  • Anónimo

    Passei alguns dias nessa casa no Verão de 1990, qu...

  • Anónimo

    Bom dia moro em Portugal precisa de ajuda.....

  • Anónimo

    Não era caldeirada de javaliNão foram os caçadores...

  • Anónimo

    Com autorizaçao de quem é que escreveu este post?

A espreitar

online

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
blog-logo