Sexta-feira, 13 de Julho de 2018

Memórias de um andarilho - Parque Nacional da Peneda-Gerês - Trilho dos Moinhos de Parada

 

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO

 

PELO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS (PNPG)

 

01.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (4)

 

TRILHO DOS MOINHOS DE PARADA

 

14.abril.2018

 

 

 

 

Gosto de rever certas paisagens,

ainda mais do que reler certos livros.

São belas como eles, e nunca envelhecem.

O tempo não degrada a linguagem que as exprime.

Pelo contrário, enriquece-a, até, num esforço de perfeição constante que,

embora involuntário, parece intencional.

Faz alargar a copa a um carvalho,

e reforça determinado volume;

outoniça precocemente algumas folhas,

e esbate um pouco a cor afogueada de uma encosta;

entoira um ribeiro, e gera um lago onde se espelha o perfil dos montes.

E eu olho, olho e não me canso de admirar uma placidez

assim permanentemente movimentada.

Pobre artista que sou, sei que é esse renovo ininterrupto

que falta às obras puramente humanas.

Mesmo as geniais, são apenas momentos vibráteis

Na quietude da eternidade,

Ilhas vulcânicas no mar morto do tempo.

Agitam-se, mas dentro do seu anquilosamento histórico.

 

 

Gerês, 03 de Agosto de 1959

Diário VIII, Miguel Torga

 

 

Hoje abandonámos a Porta do Campo de Gerês, no concelho de Terras do Bouro, e dirigimo-nos para a do Lindoso, no concelho de Ponte da Barca.

 

Abandonámos a Porta do Campo de Gerês e a serra do Gerês, trocando-a pela serra Amarela.

 

Antes de nos dirigirmos às instalações da Porta, situadas mesmo em frente à Igreja Matriz de Lindoso, fomos, uma vez mais, dar uma volta pelo magnífico conjunto de espigueiros e pelo seu histórico Castelo.

 

Não deixamos aqui qualquer imagem pois, quer na nossa página do Facebook, quer nos nossos blogues, já, noutras ocasiões, fizemos reportagem sobre Lindoso, com o seu conjunto de espigueiros e Castelo. Florens quis conhecer, mais a fundo, este conjunto de Lindoso; por isso, demorámo-nos nesta localidade um pouco mais e só efetuámos o Trilho dos Moinhos de Parada da parte de tarde.

 

Consultando o mapa com o ponto da situação, no que respeita aos percursos com sinalização convencional nos terrenos existentes no território do PNPG, da responsabilidade do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), informação de setembro de 2017, damo-nos conta que o percurso nº 19 – Trilho dos Moinhos de Parada, cujo folheto ou brochura é da responsabilidade da ADERE, é desaconselhável fazê-lo.

 

Aliás, esta mesma informação é-nos também dada pelo blogue «CARRIS». 

 

Dirigindo-nos às instalações da Porta do Lindoso, fomos recebidos por um seu funcionário, biólogo, que, muito simpaticamente, nos forneceu informação sobre todos os trilhos transitáveis desta Porta, e transitáveis com segurança.

 

Quanto ao Trilho dos Moinhos de Parada, informou-nos que está a ser objeto de reestruturação, ou seja, e pelo que nos apercebemos, pretende-se juntar o Trilho dos Moinhos de Parada com o Trilho do Penedo do Encanto.

 

Perante o nosso interesse em efetuar o Trilho dos Moinhos de Parada, o nosso biólogo aconselhou-nos a que tivéssemos cuidado e atenção na sinalização provisória, a vermelho.

02.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (1)

E foi o que tentámos fazer, embora não tenhamos ido até ao cimo do Penedo do Encanto, uma vez que, noutra ocasião, já o tínhamos feito.

 

Grosso modo, o nosso itinerário cobriu mais de metade do Trilho dos Moinhos de Parada e parte, embora pequena, do Trilho do Penedo do Encanto, em especial a aldeia de Parada, conforme mapa que a seguir se mostra, com traçado a amarelo.

03.- Mapa do trilho dos Moinhos de Parada

De acordo com a brochura da ADERE, saindo da estrada, no local onde exibimos a penúltima imagem, começámos a descer

04.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (2)

até ao ribeiro de Mulas.

05.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (3)

Foi este o nome que os senhores Adérito e Manuel Ribeiro nos deram, quando nos cruzámos com eles, mais ao fundo do percurso, nas proximidades da represa.

06.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (5)

Imediatamente a seguir a esta corrente de água do ribeiro Mulas, aparece-nos um moinho.

07.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (1)

Saindo do leito do ribeiro, subindo um pouco, entrámos na aldeia de Parada.

08.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (8)

Percorremos as suas antigas ruas,

09.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (9)

quase sempre cobertas de vinha em latada.

10.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (7)

(Cenário I)

11.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (12)

(Cenário II)

12.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (13)

(Cenário III)

O seu bonito casario é praticamente todo em granito.

13.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (10)

E não nos podemos esquecer que Parada já foi sede do concelho de Lindoso. A testemunha-lo, temos o edifício dos Paços do Concelho, o Tribunal,

14.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (11)

e a antiga Prisão.

15

Terra minhota que se preze, por estas bandas, não dispensa a sua eira, com os seus espigueiros,

16.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (15)

como esta - a Eira das Leijas.

17.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (14)

E, quanto a água, aqui também não falta, como este depósito/represa, para regar as hortinhas ao pé das casas.

18.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (16)

Saímos de Parada pelo Chão da Cabeça e, descendo por um bosque, constituído essencialmente por eucaliptos,

19.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (17)

observámos restos «arqueológicos» - carris utilizados para a construção de um túnel, mais abaixo - deixados aquando da construção da barragem do Lindoso, que nos fica a montante.

20.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (18)

Depois, veio a parte mais interessante e bonita deste trilho, com uma componente ambiental e paisagística, sobranceira à encosta da serra Amarela, virada para o vale do rio Lima.

 

Deixemos aqui aos nossos leitores partes do troços e cenários que nos conduziram até ao fundo do nosso trilho – a represa do ribeiro Mulas.

21.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (19)

(Troço e cenário I)

22.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (20)

(Troço e cenário II)

23.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (21)

(Troço e cenário III)

24.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (22)

(Troço e cenário IV)

25.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (23)

(Troço e cenário V)

A certa altura, os meandros do rio Lima, depois de sair da represa da albufeira do Lindoso.

26.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (24)

Uns metros mais à frente, vemos a estrada, que vai à Central da barragem de Lindoso, e a boca do túnel.

27.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (28)

Florens espera por nós. E contempla o apertado vale do rio Lima, atento a uma das suas prolongadas cascatas,

28.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (27)

tendo como pano de fundo a serra Amarela.

29.-2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (26)

E continuámos caminho, observando, do outro lado da margem, as aldeias de Campo Grande e Cunhas.

30.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (29)

O caminho de terra deu lugar a um carreteiro, por onde passavam os carros puxados por juntas de bois,

31.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (30)

que nos leva a descer até ao açude do ribeiro de Mulas.

32.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (31)

Na descida, o açude, a ponte do ribeiro de Mulas e a cancela, que dá continuidade ao nosso percurso.

33.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (32)

Até que chegámos à margem do ribeiro,

34.-2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (33)

lugar fresco e aprazível, de águas límpidas.

35.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (34)

Aqui fizemos uma pequena pausa, fazendo o reconhecimento do terreno e da sua flora.

36.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (35)

O lugar exigia contemplação. E que captássemos a correnteza das suas  águas.

37.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (36)

(Cenário I)

38.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (37)

(Cenário II)

39.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (38)

(Cenário III)

O sol, ao alto, aquecia, cada vez mais, o ambiente. E tínhamos uma razoável subida pela frente até chegarmos a Parada.

 

Despedimo-nos das águas do ribeiro

40.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (39)

e da sua presa.

41.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (41)

Abrimos a cancela,

42.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (40)

e, pelo estradão acima, despedindo-nos dos apertados meandros do rio Lima.

43.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (42)

Sensivelmente a meio da nossa subida, encontrámos os nossos já referidos senhores Adérito e Manuel Ribeiro. E, a eles, uma pergunta sacramental se impunha que lhes fizéssemos:

- Então, afinal, onde estão os moinhos de Parada?

 

A resposta veio pronta:

- Existem cerca de trinta, a montante do açude, ao longo da margem direita do ribeiro. Estão em completa ruína. Para se lá chegar, é difícil. Seria necessário proceder à limpeza da sua respetiva margem.

 

E é pena!

 

Para um trilho designado de moinhos, encontrar, até agora, apenas um, não é praticamente nada, fazendo muito pouco jus ao nome do trilho…

 

Os amigos Adérito e Manuel lá foram às suas vidas, ver  e/ou cuidar das suas leiras. E nós continuámos caminho. Até que chegámos à estrada, nas proximidades de Parada, onde tínhamos estacionado a nossa viatura.

 

Faltava-nos ver o segundo moinho bem como o designado Poço da Gola.

 

Pegámos na viatura e, num largo, mesmo perto desta fonte,

44.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (63)

iniciámos um percurso – que não chegou a 1 Km -, indo ao encontro, uma vez mais, do ribeiro de Mulas,

45.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (43)

onde Florens se ocupou a tirar fotos a estas pequenas quedas de água.

46.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (44)

Seguindo a vereda, fomos ao encontro do 2º moinho do nosso percurso.

47.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (45)

Abrimos a porta para ver o que tinha lá dentro: velhos utensílios. Mas já sem uso!

48.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (58)

Junto ao moinho, passámos por esta ponte de madeira para a outra margem

49.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (47)

e, subindo um pouco, pusemo-nos em contacto com este lugar tão aprazível, deixando aqui alguns cenários, quer da correnteza das águas, quer do dito Poço da Gola e sua cascata.

50.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (46)

(Cenário I)

51.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (48)

(Cenário II)

52.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (49)

(Cenário III)

53.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (50)

(Cenário IV)

54.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (54)

(Cenário V)

55.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (51)

(Cenário VI)

56.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (52)

(Cenário VII)

57.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (53)

(Cenário VIII)

Sentámo-nos nesta fraga-lajedo a descansar e contemplar todo este bonito entorno. Florens, com a sua máquina fotográfica, captava pormenores.

58.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (55)

Saímos deste tão bonito lugar pela mesma ponte por onde tínhamos entrado,

59.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (56)

despedindo-nos do velho moinho

60.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (57)

e do ribeiro de Mulas, com as suas linhas de água, brotando para o seu leito,

61.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (59)

observando a ponte medieval (?).

62.- 2018.- Trilho dos Moinhos de Parada  (64)

Florens, por cima do seu tabuleiro, continua a tirar fotos ao lugar, à ponte e ao ribeiro.

 

Eram já horas de regressar. Metemo-nos na viatura e, numa hora e pico, chegámos à Vila do Gerês, onde continuávamos alojados.

 

Apesar de não vermos muitos moinhos, foi um passeio de 6. 650 Km (valor acumulado), feitos em cerca de duas horas (fora os tempos de paragem, claro!),

64.- Trilho dos Moinhos de Parada - Dados técnicos 01

com a elevação e velocidade que o gráfico abaixo mostra.

65.- Trilho dos Moinhos de Parada - Dados técnicos 02


publicado por andanhos às 19:54
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

.Julho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Palavras soltas - Sistelo...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Versejando com imagem - T...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Memórias de um andarilho ...

. Gallaecia - Memórias de u...

. Gallaecia - Memórias de u...

. Gallaecia - Memórias de u...

.arquivos

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.links

.StatCounter


View My Stats
blog-logo