Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

andanhos

31
Mai20

Memórias de um andarilho - Caminhada nas vias férreas portuguesas abandonadas - Linha do Sabor - 7ª etapa :- Sanhoane-Sendim

andanhos

 

MEMÓRIAS DE UM ANDARILHO 

CAMINHADAS NAS VIAS FÉRREAS PORTUGUESAS ABANDONADAS

 

LINHA (DE CAMINHO DE FERRO) DO SABOR 

7ª ETAPA

SANHOANE-SENDIM 

 (01.maio.2012)

01.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 162

(Pormenor da antiga Estação de Urrós)

 

"Contemplar a paisagem sob o ponto de vista da infinitude,

leva-nos a protestar contra

o modo puramente utilitarista de contemplar a realidade,

característica da visão técnico-científica dos dias de hoje.”

(R. Assunto).

A contemplação da paisagem

pode valorizar a beleza como finalidade em si,

e não somente a utilidade das coisas reais.

A paisagem é um objeto estético,

consequência da filosofia da Arte e da Natureza. (…)

A ideia da paisagem

concebe-se como uma forma da Natureza

ao constituir-se como objeto estético. (…

A paisagem enquanto objeto estético

 provoca em nós reações intelectuais ou sensoriais. (…)"

 

Luísa Genésio

 

Saímos de casa de nosso filho, Tópê, em Miranda do Douro, em direção a Sanhoane.

 

Já o sol começava a raiar, quando demos início à jornada de hoje, com a distância de 12,5 Km.

02.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 026

Caminhávamos em pleno planalto mirandês, por entre troços retos, rodeados de cor verde e amarela, espalhada pelos campos, debaixo de um céu azul, coberto de muitas nuvens brancas, carregadas.

03.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 027

A determinada altura, o canal da antiga Linha é interrompido, dando-nos a sensação da existência de uma passagem, ligando dois campos de lameiro.

04.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 036

Percorrendo a antiga Linha pelo planalto, sozinho, apenas, nos primeiros quilómetros que percorremos, deparámos com os cenários de um pasto, que exibimos aos(às) nossos(as) leitores(as).

05.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 045

(Cenário I)

06.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 047

(Cenário II)

07.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 037

(Cenário III)

08.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 043

(Cenário IV)

09.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 040

(Cenário V)

Foi o a observação desta cria, aninhada junto de sua mãe, que nos fez com que nos viesse à lembrança as palavras, supra citadas, de Luísa Genésio – «A paisagem mirandesa – uma leitura» -, professora do Instituto Politécnico de Bragança, ínsitas na publicação «Estudos Mirandeses – Balanço e orientações», conjunto de estudos ou textos coordenados por José Francisco Meirinhos, editada pela Granito, Editores e Livreiros, uma publicação de Homenagem a António Maria Mourinho (Atas do Colóquio Internacional: Porto, 26 e 27 de março de 1999), e que tínhamos lido uns dias antes.

 

Relembremos: “A contemplação da paisagem pode valorizar a beleza como finalidade em si, e não somente a utilidade das coisas reais”.

 

A paisagem ou os seus cenários que, andando, víamos, naquele preciso momento da nossa passagem não representava somente um aspeto utilitário, que tinha a ver com a exploração dos recursos, nomeadamente estes de natureza pecuária. Oferecia(m)-se aos nossos olhos como um objeto efetivamente estético. Despertava-nos sensações. Fazia-nos pensar não apenas na Natureza, outrossim na simbiose entre Natureza e Arte. Na verdade, estamos com Luísa Genésio quando, logo a seguir, nos afirma que “A ideia da paisagem [ou dos seus diferentes cenários] concebe-se como uma forma da Natureza ao constituir-se como objeto estético”.

 

Era congeminando sobre estas questões, quando passávamos pelo estreito canal, onde, durante umas boas centenas de metros, a esteva (Cistus ladanifer), umas em botão, outras já completamente floridas de noivas, vestidas de branco, se estendiam em tapete à nossa passagem.

10.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 051

A páginas tantas, porque andando na planura, a passo estugado, tivemos de parar, perante este obstáculo.

11.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 052

Ficámos com a sensação que estávamos perante um abuso de um particular. Estávamos em 2012. A Linha, é certo, já tinha encerrado há uns bons anos, mais precisamente em 1988. Mas, que nos constasse, naquela altura, apesar de todo o material fico ter sido arrancado e estar totalmente abandonada, aquele canal, porque pertença do domínio público do Estado – e, consequentemente, insuscetível de apropriação privada – não podia ser objeto de uso privado, mesmo que se quisesse usar o instituto jurídico da posse, constante do nosso Código Civil. Mas, em Portugal, as coisas acontecem… Por incúria e negligência de uns e por usura e abuso de outros. Infelizmente!

 

Lá conseguimos saltar a vedação e, mais à frente, continuámos a circular no trilho daquela que foi uma linha de caminho de ferro.

12.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 056

De um lado e de outro, apresenta-se-nos, em toda a sua pujança primaveril, o planalto cerealífero, multicolorido.

13.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 059

(Cenário I)

14.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 063

(Cenário II)

15.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 065

(Cenário III)

E, mais uma vez, nos ocorria à mente a reflexão de Luísa Genésio, citando R. Assunto: “Contemplar a paisagem sob o ponto de vista da infinitude, leva-nos a protestar contra o modo puramente utilitarista de contemplar a realidade, característica da visão técnico-científica dos dias de hoje”.

 

Somos um urbano, mas nómada até ao tutano. E profundo amante da «viagem». Como tal, esta paisagem, com os seus diferentes cenários, que pela primeira vez contemplávamos, provocava, essencialmente em nós, reações intelectuais e sensoriais. Puramente. Mesmo trazendo à mente a labuta diária do agricultor para a adornar. Cultivando-a. Transformando-a, a nossos olhos, num verdadeiro objeto cultural. Digna de ser vista!

 

E enquanto trazíamos à nossa mente estas reflexões, continuávamos, pé firme, percorrendo este canal, que resta da antiga Linha,

16.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 069

adivinhando vida, quando vislumbrávamos, no fundo do horizonte, a serra e o planalto, a fundir-se com todos os elementos do povoado que passava à nossa frente.

17.-2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 073

Estancámos o passo para contemplar, no cocuruto dos ramos de uma árvore, esta linda ave.

18.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 078

Mas, umas centenas de metros mais à frente, sobe por nós acima uma certa indignação.

19.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 079

Não há civismo em certas pessoas. Para já não falar na completa ausência de sensibilidade para as coisas que, porque de todos nós, para nossa fruição, deveriam ser tratadas com mais cuidado e carinho. Uma lixeira!...

 

Continuávamos agora a caminhar no meio de uma antiga Linha, agora tomada por um verdadeiro giestal.

20.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 081

Percorridos umas centenas de metros, e passando por debaixo deste viaduto de estrada,

21.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 090

avistávamos a Estação de Urrós.

22.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 097

Passámos pelo antigo armazém de mercadorias 

23.-- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 099

e pelo exterior do edifício da antiga Estação.

24.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 102

E reparámos no antigo Depósito de Água para abastecer as locomotivas a vapor.

25.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 113

Apreciámos este painel de azulejos.

27.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 103

E não perdemos este pormenor do edifício.

26.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 108

Uma bonita arquitetura ao completo abandono! Sem qualquer cuidado, sendo palco do mais puro desleixo e incúria de quem devia de cuidar de um património que foi palco, testemunha, da Vida de muitas gentes. Cheio de História.

 

Entrámos.

28.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 106

E ficámos verdadeiramente escandalizados!

 

Saímos de imediato. E, não sabemos porquê, mas de imediato nos veio à lembrança uma experiência tida num dos países europeus em que um dos responsáveis pelo património nacional nos dizia que grande parte significativa dos proventos provenientes dos jogos de azar e fortuna (que é o mesmo que dizer dos lucros da nossa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa), em vez de irem para o futebol, como cá acontece, iam para serem investidos na recuperação, valorização e manutenção do património (nacional).

 

Aqui, neste nosso Portugal à beira mar plantado, valoriza-se mais «Os três F» - Futebol, Fado e Fátima, popularmente referidos, no pós 25 de Abril, como os três pilares da ditadura salazarista que, na realidade, era a trilogia – Deus, Pátria e Fátima

 

O que nos encheu a alma, andando uns bons metros à frente, foi o encontro com esta linda poupa ou boubela (Upupa sp.).

29.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 117

Continuávamos a nossa jornada, agora sobre piso duro, ao qual ainda não havia sido retirado o cascalho.

30.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 123

Tínhamos a sensação que estávamos nas alturas, com o céu a colar-se à terra.

31.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 129

Não sabíamos, ao todo, quantos quilómetros já tínhamos andado nesta Linha a pé. Mas, esta placa, uma sobrevivente a voragem do tempo e do Homem, encarregou-se de nos avivar a memória.

32.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 134

Aqui e ali, a cultura da videira e do vinho, vai, lentamente, tomando conta de pedaços da antiga Linha.

33.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 152

Uma pista, agora mais larga, desimpedida e cuidada,

34.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 144

correndo ao lado das vias rodoviárias novas, ou entretanto melhoradas,

35.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 145

indicava-nos que nos encontrávamos muito perto de Sendim.

 

E, a antiga Estação, em poucos minutos, oferecia-se-nos a nossos olhos.

36.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 156

O mesmo abandono e incúria de um património cuidado a «tratos de polé».

37.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 160

Mas a cultura viva do quotidiano rural destes povos do planalto mirandês, plasmada nestes painéis de azulejos azuis,

38.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 167

(Painel I)

39.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 172

(Painel II)

40.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 173

(Painel III)

resiste à voracidade do tempo e aos desleixo dos homens! Um misto de admiração e tristeza nos invadiu quando, aqui, demos por finda a nossa etapa de hoje e contemplávamos esta Estação.

 

Abandonámos este lugar, em direção ao centro da vila, onde tínhamos combinado encontrar-nos com o nosso filho.

 

Na despedida da antiga Estação de Sendim,

41.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 186

não deixámos de reparar no pormenor desta cornija do edifício.

42.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 177

Mesmo linda!

 

Enquanto esperávamos por Tópê para nos levar a Sanhoane buscar nossa viatura, demos uma olhadela pelo centro de Sendim.

 

Nele destaca-se o Pavilhão Multiusos,

43.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 207

três painéis de azulejos, representando o passado

44.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 208

(Painel I)

45.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 209

(Painel II)

e o futuro de Sendim.

46.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 210

(Painel III)

Ainda nos deu tempo para ver a Igreja Matriz, também conhecida como Igreja de Santa Bárbara, de planta longitudinal, de uma só nave e com capela-mor retangular.

47.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 217

A sua fachada principal é rasgada por um portal de arco completo, assente em duas pilastras, encimada por arquitrave. Sobrepõe-se-lhe um nicho com a imagem de Santa Bárbara, ladeado por dois pináculos. Está encimada por uma dupla sineira. No meio, uma mais pequena.

48.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 212

Também, muito à pressa, não deixámos de reparar no seu casario mais antigo

49.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 213

bem como noutro recuperado.

50.- 2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 218

Numa última olhadela para o património de Sendim, quando Tópê, o nosso filho, já se encontrava junto de nós, para repararmos nesta Capela do Senhor da Boa Morte.

2012 - Linha do Sabor (Sanhoane-Sendim) 214

E, por se falar em morte, veio-nos à memória uns versos de um ilustre filho desta terra, aqui nascido – António Maria Mourinho.

 

Este erudito e culto filho de Sendim, grande dinamizador da cultura mirandesa e da sua língua – o mirandês -, a pouco tempo do seu passamento, quando completava 79 anos de idade, escrevia, a 14 de fevereiro de 1996:

Anos!... hoje eu faço anos, ainda vivo!

E tantos já!... setenta e nove!...

Oitenta menos um!... e não mais tornam,

Na onda irreversível que se move!

 

A vida e o tempo

 

São como o vento…

Como se fosse um remoinho à solta!

Assim eu vou correndo, sem parar,

Em solenidade cônscia e saudosa

De tantas coisas gastas, dia a dia

Em mágoas e tormentos (e alegria).

Que assim a vida é feita até findar.

Ai mocidade em flor… Ai! Plena de vida!...

De esforços e canseiras… a sonhar…

Que já lai vai, mal gasta e mal perdida!

 

Apresentamos o diaporama desta etapa, realizado em março de 2013.

 

LINHA DO SABOR – 7ª ETAPA:- SANHOANE-SENDIM

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Na verdade...Um grande abraço,A. Souza e Silva

  • Vagueando

    Concordo plenamente consigo quando refere que a pa...

  • Joaquim Machado

    TERRA DE MEUS PAIS[

  • Anónimo

    Gostei muito da descrição. Faço só o reparo em rel...

  • Anónimo

    Passei alguns dias nessa casa no Verão de 1990, qu...

A espreitar

online

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
blog-logo