Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

andanhos

26
Jan13

Gallaecia - Por terras da Gallaecia - Adeus à Ponte de Remondes e rio Sabor!

andanhos

 
 

ADEUS À PONTE DE REMONDES E AO RIO SABOR!

 
 

Lemos algures, já não sabemos onde -  tal a avalanche vertiginosa de informação que, todos os dias, nos entra portas dentro, que até lhe perdemos a fonte -, que os habitantes de Remondes, do concelho de Mogadouro, se juntaram à volta da designada Ponte de Remondes, lugar de passagem sobre o rio Sabor, para quem vem das terras de Mogadouro para as de Macedo de Cavaleiros, para se despedirem dela.

 

Não ficámos muito bem a saber se aquilo se tratou de festa rija ou de velório, pois até tinha Dj e tudo!

 

No passado 3 de Maio, vindo dos lados de Miranda do Douro, onde fomos visitar um familiar, depois de termos terminado, a pé, a antiga Linha de Caminho de Ferro do Sabor, passámos por aquele local em direcção a Izeda, onde nunca ainda tínhamos parado, apesar de por lá passarmos uma ou duas vezes.

 
 

Já passava bem da hora do almoço.

 

Não sabemos bem que nos deu na cabeça quando parámos o carro, à saida da ponte e, mais de uma hora, fomos andando a pé rio acima.

 

Das nossas caminhadas pelas «Travessas e Linhas Abandonadas» deste nosso Reino Maravilhoso, para além de conhecermos o rio Douro, do Pocinho à Barca d’Alba, o rio Tua e o Corgo, que correm paralelos às respectivas linhas, estavamos ansioso também por conhecermos o Sabor. Razão pela qual nos aventurámos a fazer também aquela linha, desde o Pocinho até Duas Igrejas, término da mesma.

 

Mas, quando se percorre esta Linha, o rio anda muito afastado de nós, a não ser entre Pocinho e Torre de Moncorvo, nas proximidades daquela vila.

 

Para quem vinha de fazer uma Linha com o nome de um rio, ainda por cima com a fama, tal como o Tua, que corria em «estilo natural»

 
 

e sem qualquer intervenção humana que o desfigurasse no seu aspecto e estrutura natural,

 

mas que, praticamente, nunca o tinhamos visto, hoje entendemos aquela nossa atitude de pararmos alí à saída da Ponte de Remondes e «botar» pernas rio acima, num forte impulso para o melhor conhecermos e sentirmos, depois da frustação de termos feito a Linha que levava o seu nome e quase nem sequer termos visto - em toda a sua extensão - as suas águas.

 

Como hoje compreendemos tão bem o nosso poeta do Reino Maravilhoso!

 
Em certo sentido, é preciso descer do carro e pegar nas botas para melhor se conhecer e amar este magnífico «reino».
 
 
Enquanto caminhávamos rio acima, não era apenas o rumor das suas águas e a sombra dos sobreiros, na sua margem, que nos refrescava: sentia mos que me nos dava uma nova alma, saindo de nós mesmo uma forte emoção e um sentimento de amor por esta natureza que nossas botas pisavam e nossos olhos viam e observavam.
 
 

Há momentos inesquecíveis, que nunca jamais esqueceremos, tal a forte vibração que em nós provocam.

 

Este foi um deles!...

 
 

A barragem do Baixo Sabor vai submergir toda esta natureza pura, em estado quase selvagem e, com ela, a sua antiga ponte, de tantas passagens e de tantas histórias, vai desaparecer. E tudo isto como se fosse um pedaço de alma que nos abandona e nos deixa órfãos e mais pobres.

 

Mais pobres em termos de humanidade, embora nos prometam, com este empreendimento, mais riqueza, em termos económicos.

 

Mas riqueza para quem?

 

Para onde vai o proveito desta obra? Directamente para as suas gentes, para os seus habitantes, para além dos míseros tostões que lhes deram pelas terras que vão ficar submersas?

 

Para um melhor e mais equilibrado desenvolvimento do território deste «reino», que teimamos em dizer ser maravilhoso, mas que, constantemente,  se vê ensangue, expulso das suas gentes, desertificando o interior e tornando-nos, a todos, cada vez mais escravos, num modelo de desenvolvimento assente num sistema económico delapidador de recursos que só aproveita a incontrolável gula e voracidade de meia dúzia de «rapinas»?

 

Que evento, afinal, as gentes de Remondes levavam a cabo junto da «sua» Ponte?

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Na verdade...Um grande abraço,A. Souza e Silva

  • Vagueando

    Concordo plenamente consigo quando refere que a pa...

  • Joaquim Machado

    TERRA DE MEUS PAIS[

  • Anónimo

    Gostei muito da descrição. Faço só o reparo em rel...

  • Anónimo

    Passei alguns dias nessa casa no Verão de 1990, qu...

A espreitar

online

rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
blog-logo