Sexta-feira, 26 de Agosto de 2011

MEMÓRIAS DA MINHA INFÂNCIA (II)

 

 

O Rico Património Vinícola de Santa Maria

 

Vicissitudes várias, que não vem aqui para o caso relatar, levaram-me a que estivesse ausente deste blogue, desde Novembro passado.

 

Urge, pois, reatar, resolvidas que estão as causas que deram origem a este interregno.

 

Foi, entretanto, frutífero este interregno. Que me permitiu ter efetuado mais dois percursos pedestres na área de Santa Maria (de Ulveyra) e sua vizinha Cidadelhe e, simultaneamente, fazer alguma pesquisa sobre a minha terra e as suas gentes.

 

Por isso, vamos continuar com “As Memórias da Minha Infância”.

 

Assim, aquilo que aqui se verte, não é apenas aquilo que o pó da história deixou na minha memória, mas também aquilo que é a memória dos meus, mais velhos, quando me contavam as suas histórias de vida na infância e adolescência. E mais um interessante livro, sob o título “Breve Monografia do Concelho de Mesão-Frio (1152-2002)”, editado por ocasião da comemoração dos 850 anos da outorga da Carta Foral de Mesão-Frio, da autoria de Bernardino Vieira de Oliveira.

 

B. Vieira de Oliveira dedica esta Breve Monografia ao padre José Joaquim Gomes, seu professor de Latim, no Seminário de Vila Real.

 

A poeira do tempo apagou-me da memória a presença deste companheiro! Espero um dia destes ir ao Sul e ir à fala com este companheiro. Para matar saudades e também falarmos destas tão bonitas terras que nos viram nascer mas que, para mim, apenas foram berço e regaço por escassos 7 anos. Outras paragens de embalaram…

Na década do século passado em que nasci, anos 50, em Santa Maria, as famílias Carvalho Macedo, Dias Pinheiro e Girão eram os grandes tenentes de Santa Maria, detentores, respectivamente, das quintas históricas – Quinta do Castelo, Quinta de Sant’Anna e a Casa Anexa d’Além e a Quinta das Torres, entre outras.

 

Conforme nos diz B. Vieira de Oliveira, na sua obra citada, pág. 245: “João de Carvalho Macedo, tendo começado «por uns magros palmos de monte (…) engrossou seu cabedal e pôde comprar a desmantelada propriedade do logar do Castelo, com cujo nome a titulou». A partir daqui, João de Carvalho Macedo foi adquirindo outras propriedades dispersas que, no seu todo, formavam a Quinta do Castelo, cujos vinhos obtiveram honrosos prémios na exposição de Antuérpia em 1885, na de Lisboa, três anos depois, na de Chicago em 1893, e na do Rio de Janeiro em 1908. Em 1905 quase toda a parte oriental da bacia de Sermenha pertencia à família Carvalho Macedo, a qual, em apenas um quarto de século, construía um dos mais poderosos impérios vinícolas da região do Douro. Naquela época, a Quinta do Castelo e as propriedades anexas de Vale d’Arados, Bamba, Amieira, Serrinha, Nogueiras e Sant’Anna chegaram a produzir 700 pipas de vinho”.

 

João de Carvalho Macedo, o fundador da Quinta do Castelo, teve sete filhos: João de Carvalho Macedo, Proprietário da Casa da Calçada; António de Carvalho Macedo, proprietário da Quinta e da Casa do Paço; Alfredo e Maricota Carvalho Macedo, proprietários da Quinta do Castelo; José de Carvalho Macedo, e depois Aida de Carvalho Macedo, proprietários da Quinta e Casa de Sant’Anna e Olinda de Carvalho Macedo, proprietária da Casa D’Além, com vinhas e propriedades anexas.

Quer Aida de Carvalho Macedo quer sua irmã Olinda, casaram com dois irmãos, Altino e Alcindo Dias Pinheiro.

 

A Quinta de Sant’Anna, comprada por José de Carvalho Macedo a José Borges de Carvalho Soares de Vasconcelos, antes dos anos 20 do século passado, na década de 50, já estava na posse de Dona Aida de Jesus Macedo Dias Pinheiro.

 

 

Esta Quinta encontra-se situada num anfiteatro de casas e socalcos numa área que, no princípio do século XX, compreendia os vinhedos de Sant’Anna, da Igreja, dos Bacelos, e da Azenha, que, ainda segundo B. Vieira de Oliveira, no seu todo, produziam 150 pipas de vinho generoso.

 

Estas duas Casas – Sant’Anna e Casa d’Além – na minha meninice, empregavam 60 a 70% dos assalariados rurais (jornaleiros) da freguesia de Santa Maria.

A Quinta das Torres, propriedade dos Girões, possui vinhedos que descem pelas encostas do vale do rio Sermenha, que corre, fundo, banhando as margens de Giguintes e Derruídas.

 

A Quinta das Torres, com uma área de cultivo de aproximadamente 30 hectares, incluindo propriedades anexas, encontra-se implantada a meia encosta e, todo o dia, exposta ao sol nascente e poente e tem uma produção média de 150 pipas de vinho.

 

A Quinta das Torres tem uma casa que é o mais deslumbrante bilhete postal turístico do concelho de Mesão-Frio.

Não vamos aqui falar mais pormenorizadamente destas famílias. Apenas referir que foi sob o domínio essencial destas duas casas – Sant’Anna e D’Além -, particularmente a de Sant’Anna, de Aida e Altino Dias Pinheiro, senhor todo poderoso da região, de alma e coração com o regime de Salazar, bem assim do pároco que me batisou – José Ribeirinha Machado, de Vilarandelo, que as histórias da minha infância e dos meus irmãos mais velhos se tecem.

 

Creio que muita história desta época em Santa Maria está por fazer. Mas não sou eu, cujo engenho e arte não dão para tanto, que a vou fazer. Seria bom que gente nova, mais afastada dos acontecimentos e isenta de preconceitos a fizessem, dando o devido valor aquela gente anónima que, de enxada e pico na mão, passando fome e com privações extremas, enchiam os bolsos destes terratenentes endinheirados e autoritários. Pese embora a bondade das suas respectivas consortes!

 

Porque, ao fazer-se a história de Santa Maria, ouvindo as já poucas pessoas que com as suas histórias de vida nos podem bem melhor elucidar sobre aquela época, estamos a contribuir não só para encontrarmos melhor a nossa própria identidade como povo como também para aumentar a nossa própria auto-estima, como «papeiros», que nos orgulhamos de ser.

 

É um pouco por aqui que passa a memória, o orgulho e a sobrevivência dos povos.


publicado por andanhos às 15:10
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. MEMÓRIAS DA MINHA INFÂNCI...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.links

.StatCounter


View My Stats
blog-logo