Domingo, 11 de Setembro de 2016

Ao Acaso... - A história da expressão «fino como o alho»

 

 

AO ACASO...

 

A HISTÓRIA DA EXPRESSÃO «FINO COMO O ALHO»

 


Vamos frequentemente ao Porto. Umas vezes, por questões de saúde, pois, infelizmente, o nosso interior está cada vez mais desertificado, reestando apenas os nossos «maiores», pois os jovens deslocam-se para o litoral e os grandes centros, onde se concentra tudo o que é de especialidades, nomeadamente as médicas; outras vezes, para «arejar» e sair desta pasmaceira em que estão transformadas a nossas cidades do interior; e, finalmente, visitar amigos e familiares, ou porque vivam na área metropolitana do Porto, ou porque se encontram retidos em diferentes instituições de saúde da Invicta.

 

Nestas nossas deslocações à apregoada capital do Norte, sempre que podemos, aproveitamos para a conhecer melhor, na sua vida quotidiana e na sua história.

 

Há um certo tempo a esta parte, os livros do penafidelense Germano da Silva, jornalista e historiador, profundo conhecedor e amante do Porto e da sua história, normalmente, acompanha-nos.

 

Se bem que vamos a meio dos itinerários propostos pela publicação da Editora Educação Nacional «Porto - Guia Turístico», deste vez, durante estes últimos dias de permanência na área metropolitana do Porto, pegámos no livro «Caminhar pelo Porto na companhia de Germano da Silva» e propomo-nos a fazer dois, dos sete percursos, sugeridos pelo autor.

 

O primeiro deles leva-nos da Praça da Liberdade a São Bento.

 

Enquanto deambulávamos, descendo de São Bento, pela rua das Flores, a determinado passo, à nossa esquerda, deparámos com uma pequena rua, que mais parece uma travessa, e que vai de encontro à monumental rua de Mouzinho da Silveira. Pelos passos nela dados, e segundo os curiosos que a mediram, não deve ter mais de 30 metros.

DSCF3040.jpg

O seu nome era-nos totalmente estranho - Rua de Afonso Martins Alho.

 

Abrimos o livro de Germano da Silva e, no final da página 31, o autor, em destaque, escreve: “Rua de Afonso Martins Alho - a mais pequena artéria da cidade. O homem que deu nome à curta artéria foi um rico mercador do século XIV que em 1353, em nome do rei português, assinou, em londres, com Eduardo III da Inglaterra, o primeiro tratado de comércio e pesca entre Portugal e Inglaterra”.

 

Sentámo-nos no café da esquina, que a liga à rua de Mouzinho da Silveira

DSCF3045

e, enquanto tomávamos o nosso «cimbalino», pegámos no telemóvel, ligámos os dados móveis (a internet, via wifi, não está ainda tão generalizada, como gostaríamos, nos nossos estabelecimentos comerciais) e procurámos aprofundar a história do homem que dá o topónimo a esta artéria (rua) mais pequena do Porto.

 

Assim, no sítio da internet «ncultura.pt/a-rua-mais-pequena-do-porto», podemos ler, reproduzindo sucintamente o essencial que vem aqui para o caso:


Afonso Martins alho esteve ligado à administração municipal, chegou a ser Vereador da Câmara mas foi, sobretudo, um negociador nato!“.

 

Com efeito, Afonso Martins Alho, mercador do Porto (século XIV), juntamente com Gomes de Limpas, o mercador Limpas, foi enviado por D. Afonso IV a Londres, em 1353, para negociar e firmar o primeiro tratado comercial anglo-luso. Os dois enviados limitaram-se a obter do soberano inglês um salvo-conduto anual para todos os mercadores e navios portugueses nos portos britânicos.

 

Afonso Martins Alho voltou de novo a Londres como mensageiro e procurador dos mercadores e comunidades das cidades marítimas de Lisboa e Porto para celebrar um tratado de comércio, composto por oito artigos, válido por 50 anos, e assinado em Londres em 20 de outubro de 1353.

 

Segundo José Pedro de Lima-Reis no livro «Algumas notas para a história da alimentação em Portugal» (Campo das Letras), constante no sítio da internet acima citado, o acordo com Eduardo III da Inglaterra trata-se do primeiro tratado comercial firmado entre Portugal e Inglaterra e, uma das trocas que resultou deste entendimento, terá sido referente à importação de bacalhau contra o envio de vinho verde, expedido de Viana do Castelo.

 

Diz-se que, graças à sagacidade e à grande habilidade de negociador de Afonso Martins Alho, a partir de certa altura, começou a usar-se a expressão «fino como o alho» ou «fino que nem um alho», passando, tal expressão, a incorporar-se na língua portuguesa, querendo-se significar com ela que certo indivíduo ou personalidade em questão é muito esperto, muito sagaz e astucioso.

 

Lamenta Germano da Silva: “Um homem tão importante numa artéria tão pequena...

 

Infelizmente, em termos de toponímia, nem sempre damos importância às artérias de uma cidade em função do passado das suas mulheres e homens. Outros interesses se metem pelo meio...

 

Quanto a nós, basta a eternização da expressão para, com ela, eternizar o homem que a ela está ligado.

 

A rua Afonso Martins Alho não tem a monumentalidade da rua de Mouzinho da Silveira, nem a beleza e graciosidade da rua das Flores, contudo, nos seus escassos 30 metros, apresenta a verdadeira, típica arquitetura portuense.

DSCF3044


publicado por andanhos às 18:40
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De jaime forrester zamith a 11 de Outubro de 2016 às 19:36
Dois pequenos apontamentos:
1º) alguém já mediu o comprimento da rua de Bolhão Pato na freguesia de Nevogilde desta Cidade ?
2º) coimo ops ditados em Portugal andam todos errados, por exemplo:
quem não tem cão caça como um gato e não "caça com um gato"
quem tem boca vaia Roma e não "vai a Roma"
Fino como um alho.Uma vez que o alho não é rico em serotonina, como o azeite e daí a expressão "até parece que bebe azeite" para um miudo muito esperto
a expressão não é, pura e simplesmente "fino como o Alho"?
Cunmprimentos


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. Ao Acaso... Lago de Sanáb...

. Por terras de Portugal - ...

. Por terras da Ibéria - Ri...

. Versejando com imagem - L...

. Palavras soltas... em Dia...

. Por terras de Portugal - ...

. Por terras de Portugal - ...

. Versejando com imagem - E...

. Por terras da Ibéria - Tr...

. Por terras da Ibéria:- Ca...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.links

.StatCounter


View My Stats
blog-logo