Quinta-feira, 14 de Novembro de 2013

Gallaecia - Pelos Caminhos de Santiago na Galiza:- Caminho do Norte - 4ª etapa


CAMINHO DO NORTE DE SANTIAGO NA GALIZA

 

19. Dezembro. 2007:- 4ª etapa:- Vilalba - Baamonde (19,1 Km)


 

 

A obra de Víctor Corral fala de Deus, das misérias do mundo, da natureza, da pureza,

 da inocência, do amor. Para Castro Couso, Víctor «chega até à essências mística,

 muito para além do puramente material».

O professor Noco Cazón, estudioso da vida e obra de Víctor Corral, indica que

 «Trapero Pardo, Castro Couso, Esther Ollo e Comas, Malú Sánchez,

 confluem todos eles em determinar um estilo próprio e genuíno do escultor,

 à margem das vanguardas e das tendências artísticas.

 Ainda assim, na obra de Corral pode-se perceber ecos românticos e do gótico,

 influências do maneirismo de Miguel Anxo, traços do impressionismo de Rodin,

 e do expressionismo, e, por cima de todo o típico galego,

 o estilo de Asorey, presente em toda a sua obra».

 

De Víctor, diz Manuel María:

 

A túa escultura, pura como a rosa,

 con recendo a terra e primaveira

 é un asombro total, unha fogueira,

 unha paixón acesa e fervorosa.

 A súa nidia verdade temblorosa

 ten unha forza fatal e verdadeira

 pois agroma da pedra ou da madeira

 como unha clara fontenla misteriosa.

 Ti fas, Víctor Corral, case da nada,

 un mundo necesario de esperanza,

 aberto á marabilla inagardada…


 

1.- TRAÇADO DA ETAPA



 

2.- PERFIL DA ETAPA

 

 


3.- UMA JORNADA DE TRANSIÇÃO

 

Foi uma etapa curta e fácil, pelos campos ondulados da Terra Chã. Poucos desníveis. Apenas, e o mais significativo, aquele junto à Ponte Rodríguez - um vau histórico que marca a passagem do antigo Caminho Real a Vilalba, bem documentado nesta zona, e pelo qual segue o atual Caminho do Norte de Santiago. Os desvios que se fizeram durante a construção da autoestrada já estão solucionados, incluindo a recuperada Ponte de Saa, pela qual também passou o Caminho Real.

 

Apesar da etapa não ser muito longa, não optámos por ficar em Miraz, que fica mais 14, 2 Km para além de Baamonde.

 

4.- DESCRIÇÃO SUCINTA DA ETAPA (DESTAQUES)

 

4.1.- De Vilalba a Alba

 

Atravessámos a localidade de Vilalba pela estrada nacional - a rua principal - e percorremos metade da zona urbana de Vilalba até chegarmos à estrada LV-118 Viveiro/As Pontes. Aqui, nas AS Pontes virámos à esquerda pela Rua Porta Décima.

Depois de vários cruzamentos, por recantos aprazíveis,

 

(Cenário 1) 
(Cenário 2)

chegámos até à Ponte Rodríguez, sobre o rio Trimaz, descobrindo, nesta zona, vestígios do antigo Caminho Real, bem assim um bonito cruzeiro.

 


Em Alba passámos pela Igreja de São João, excelente exemplar da arquitetura rural lucense.


(Alba - Igreja de São João e Cemitério neogótico)

A seu lado, um outro cemitério neogótico. Perto deste cemitério, descobriu-se um miliário romano.



 E constantes paisagens, aldeias e casas rústicas


 


4.2.- De Alba a Baamonde


Saídos de Alba, passámos por Insua. Aqui, apenas meia dúzia de casas, se tanto, à beira da estrada.

 

Nestas proximidades o Caminho vai dar a uma velha ponte sobre o rio Labrada, recentemente restaurada - A Ponte de Saa.


(Perspetiva geral)

(Tabuleiro da ponte)

Aspetos do Caminho e da paisagem até Baamonde:


(Cenário nº 3)
(Cenário nº 4)

Baamonde é uma pequena localidade situada num cruzamento estratégico de estradas, como sejam, a N-634 e a N-IV.

 

O edifício mais característico desta localidade é a sua igreja, designada de Calvário.

 

Em  Baamonde há a destacar:

 

  • O interessante albergue, bem apetrechado e dividido em camaratas.

 

(Perspetiva frontal)

(Placa sinalizadora)

Praticamente, os três, eramos os seus únicos ocupantes. Ao chegarmos fomos acolhidos por uma velha e simpática albergueira. Muito comunicadora. Dada a sua idade, não sei se ainda é viva. Depois de tomarmos banho, fomos dar uma pequena volta pela povoação. Visitámos:

 
  • A Igreja do Calvário. Trata-se de um belo exemplar românico dos séculos XII e XIII, com uma só nave e abside quadrangular ogival. No século XVIII acrescentou-se-lhe um triplo cruzeiro que podemos ver na fachada principal.

 

 
  • O castanheiro de Baamonde. Um velho e mais que centenário castanheiro.

 


Victor Curral esculpiu nele autênticas obras de arte. Por isso, aqui vos deixamos cinco fotos

(Perspetiva geral do castanheiro)
(Portão de entrada para a pequena ermida sita no seu interior) 
(Escultura nº 1esculpida no castanheiro)
(Escultura nº 2  [entre outras] esculpida no castanheiro)
(A Virgem do Rosário)

e um pequeno vídeo sobre este castanheiro que poderão visionar através do seguinte sítio da internet: http://www.youtube.com/watch?v=4mFqE2uNsfo. Mas, como a fome já apertava, fomos direitos a


  • «Restaurente Casa do Labrego», que nos foi indicada pela nossa simpática albergueira. O que nesta casa mais me seduziu, face ao frio que fazia, foi não só a excelente comida, a principiar pelos seus saborosos queijos e presunto, e pelo ambiente de museu, que ali se respira, mas pela lareira que ali estava à nossa espera. Ali passámos umas boas horas em amena cavaqueira, enquanto «tapeavamos», acompanhados por uma gostosa cerveja e bom vinho.

(Fachada da «Casa do Labrego») 
(Pormenor do seu interior)

Tivemos pena em não visitar

 

  • A Casa-Museu Victor Corral, em Baamonde-Begonte, onde se podem ver centenas de obras talhadas em diversos materiais por este escultor local. Vale a pena visitar. Por isso, apresentamos aqui algumas fotos desta Casa Museu

 

(Porta de entrada)
(A Casa Museu)
(Escultura nº1)
(Escultura nº 2)
(Escultura nº 3)
(Escultura nº 4)
(Escultura nº 5)

 

e aconselhamos a que visionem este pequeno diaporama que poderão visionar a partir do seguinte sítio da internet: http://www.youtube.com/watch?v=4mFqE2uNsfo,
ou ainda, nestes outros dois:
http://www.youtube.com/watch?v=3mkBgDWXtm4 
http://www.youtube.com/watch?v=4CTrYSNmWPU.


Saídos do «Restaurante Casa do Labrego», vínhamos quentinhos, no corpo e na alma. E nem sequer nos demos conta que caímos na cama e ficámos em sono profundo até ao outro dia!


Deixo agora, para visionamento do(a) leitor(a), um singelo diaporama desta etapa.

 

[Nota:- Para ouvir o diaporama, aconselha-se a tirar o som ao rádio, no canto superior esquerdo do blogue].

 




publicado por andanhos às 21:54
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 7 seguidores

.rádio

ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
21
22
23

25
26
27
29
30


.posts recentes

. Por terras da Ibéria - Tr...

. Por terras da Ibéria:- Ca...

. Por terras de Portugal - ...

. Por terras de Portugal - ...

. Por terras de Portugal - ...

. Versejando com imagem - A...

. Por terras da Ibéria:- Ca...

. Palavras soltas... Em dia...

. Ao Acaso... Com Torga, fa...

. Reino Maravilhoso - Barro...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Julho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

.tags

. todas as tags

.A espreitar

online

.links

.StatCounter


View My Stats
blog-logo